Fora do lugar: 2 rochas espaciais com matéria orgânica são encontradas longe do seu local de origem

Ultima Thule - Sputnik Brasil, 1920, 30.07.2021
Nos siga noTelegram
Cientistas liderados pelo pesquisador sênior Sunao Hasegawa, da Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA, na sigla em inglês), descobriram dois objetos vermelhos no cinturão de asteroides situado entre Marte e Júpiter.

De acordo com o recente estudo publicado na revista The Astrophysical Journal Letters, estas rochas espaciais podem ser oriundas de um lugar mais distante da onde está situado Netuno, e oferecem provas sobre o caos e a migração planetária de corpos celestes nos primórdios do Sistema Solar.

Os dois objetos denominados 203 Pompeja e 269 Justitia têm aproximadamente 110 e 55 quilômetros de diâmetro respectivamente, e diferem consideravelmente de seus vizinhos. Ambos têm órbitas circulares estáveis, o que significa que devem ter se estabelecido nesta região há muito tempo.

No entanto, os referidos objetos têm uma cor incomum refletindo mais luz vermelha do que outros asteroides em seu entorno devido à presença mais elevada de materiais orgânicos complexos na sua superfície, como o carbono ou metano.

CC BY 2.0 / Hubble ESA / Artist’s Impression of a Kuiper Belt ObjectCinturão de Kuiper (ilustração artística)
Fora do lugar: 2 rochas espaciais com matéria orgânica são encontradas longe do seu local de origem - Sputnik Brasil, 1920, 30.07.2021
Cinturão de Kuiper (ilustração artística)

Os objetos do Sistema Solar interno tendem a refletir mais luz azul porque não possuem material orgânico, enquanto os objetos do Sistema Solar externo são mais avermelhados porque têm muita matéria orgânica.

"Para ter este material orgânico é necessário que haja muito gelo na superfície. Portanto, elas [as rochas] devem ter se formado um ambiente muito frio. Em seguida, a irradiação solar do gelo cria esses orgânicos complexos", explicou o coautor do artigo Michael Marsset, pesquisador do Instituto de Tecnolgia de Massachusetts, EUA, citado pelo The New York Times.

Se estiver certa, esta descoberta ofereceria evidências de migração dos primórdios do Sistema Solar, especialmente a favor de uma ideia chamada "Modelo de Nice" que sugere que ao longo de algumas centenas de milhões de anos Saturno, Urano e Netuno teriam se movido para fora, e Júpiter ligeiramente para dentro, durante algumas centenas de milhões de anos. Tal movimentação teria perturbado os asteroides carregados de matéria orgânica que sobraram após a formação dos planetas, fazendo-os circular em torno do Sistema Solar.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала