- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Economista: 'Não há perspectiva de retomada da economia no Brasil se não houver vacinação massiva'

© Folhapress / Leandro Ferreira /FotoarenaComércio trabalhando no esquema drive thru em Campinas, no interior de São Paulo.
Comércio trabalhando no esquema drive thru em Campinas, no interior de São Paulo. - Sputnik Brasil, 1920, 28.05.2021
Nos siga noTelegram
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, declarou na última quinta-feira (27) que com o ritmo da vacinação atual o Brasil terá uma reabertura da economia razoável. Em contrapartida, a agência de classificação de risco Fitch manteve uma perspectiva negativa para o país.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, destacou os novos acordos de vacinação que o governo brasileiro realizou e disse acreditar que o país terá uma "abertura razoável" no segundo semestre.

"A gente entende que com o ritmo de vacinação atual a gente consegue ter uma reabertura razoável do país a partir do segundo semestre. Lembrando que o governo fez novos acordos de vacinação. É importante lembrar que a vacinação é a nossa melhor saída para a economia, para a reabertura, para o fiscal, para o crescimento, para o emprego", disse ele.

Atualmente, cerca de 44 mil brasileiros receberam pelo menos a primeira dose da vacina contra a COVID-19, o que representa cerca de 20% da população brasileira.

Em contrapartida, a agência de classificação de risco Fitch manteve a perspectiva da dívida pública brasileira com nota negativa, o que significa que a agência pode reduzir a nota do país nos próximos meses ou anos.

​A perspectiva negativa do Brasil pela Fitch se mantém desde maio do ano passado, tendo atualmente a nota BB-, três níveis abaixo do grau de investimento, que representa a garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública.

A economista e professora da Faculdade de Economia da UERJ, Maria Beatriz de Albuquerque David, em entrevista à Sputnik Brasil, destacou que, se não houver vacinação massiva no Brasil, "o que vai acontecer é que a gente vai ficar com a pandemia praticamente permanente, cada variante que surgir, vão surgir novos agravamentos".

"Então não há uma perspectiva de retomada clara da economia enquanto não houver imunização massiva. O problema não é só o vírus que existe hoje, o problema é que quando não tem controle da pandemia, vão ter novas variantes. Vira uma doença permanente. Uma doença permanente que atinge tanta gente não contribui para o avanço da economia", afirmou.

De acordo com ela, a economia mundial está retomando e o Brasil é muito ligado à retomada da economia mundial, especialmente da China. Então, a especialista observou que o aumento da demanda pelas commodities vai ajudar a economia brasileira, mas frisou que este aspecto somente não resolve a retomada do crescimento, pois o "comércio internacional é uma pequena parte da nossa economia".

© Foto / Rovena Rosa / Agência BrasilComércio fechado na rua 25 de Março em São Paulo durante a quarentena, em 26 de março de 2020
Economista: 'Não há perspectiva de retomada da economia no Brasil se não houver vacinação massiva' - Sputnik Brasil, 1920, 28.05.2021
Comércio fechado na rua 25 de Março em São Paulo durante a quarentena, em 26 de março de 2020

"Enquanto não voltarem as outras atividades, a população não recuperar renda, o consumo, que é a maior parte que faz com a economia realmente deslanche, não vai acontecer. O que estão fazendo as grandes economias do mundo? Elas estão impulsionando o crescimento com investimentos, investimentos em estrutura, que gera emprego, uma série de investimentos que possibilitam uma retomada consistente da economia a longo prazo e uma vacinação maciça", argumentou.

Ao comentar a classificação negativa do Brasil feita pela Fitch, a economista Maria Beatriz Albuquerque explicou que a nota negativa de uma agência de risco avalia como os investidores estão percebendo as perspectivas de curto, médio e longo prazo para a estabilidade e de retorno de possíveis investimentos no país.

"As tomadas de decisão de investimentos são balizadas pelo comportamento das agências de risco. A nota negativa significa que os investidores ou não vão investir nesse país, ou vão querer um rendimento muito acima do que ele poderia obter em qualquer outro lugar", completou.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала