Preço dos motores dos caças F-35 aumenta com expulsão da Turquia do programa

© AP Photo / Sargento Christopher Thornbury / Força Aérea dos EUATripulação de caça F-35 e tripulação se prepara para missão na Base Aérea de Al-Dhafra, nos Emirados Árabes Unidos, 5 de agosto de 2019
Tripulação de caça F-35 e tripulação se prepara para missão na Base Aérea de Al-Dhafra, nos Emirados Árabes Unidos, 5 de agosto de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 24.04.2021
Nos siga noTelegram
"Algumas das peças mais críticas do motor" F135, usado no caça de quinta geração dos EUA, eram fabricadas por empresas turcas. Sem estas, os preços aumentarão.

A retirada da Turquia do programa de fabricação dos caças de quinta geração F-35 fará aumentar o preço dos motores destas aeronaves em 3%, informou na quinta-feira (22) Matthew Bromberg, diretor da divisão de motores militares do fabricante Pratt & Whitney.

"Estas são algumas das peças mais críticas do motor e os fornecedores turcos eram de alta qualidade e baixo custo. 75% deles foram substituídos por novos fornecedores. A maioria deles é natural aqui dos Estados Unidos", disse ele, durante audiência do Comitê de Serviços Armados da Câmara dos Representantes dos EUA.

Por isso, o Pentágono está "continuando a trabalhar com a Pratt & Whitney para analisar o crescimento de custos projetado e para garantir que o sistema de propulsão F135 continue sendo um componente acessível do sistema aéreo F-35", declarou aos legisladores Eric Fick, tenente-coronel executivo do programa F-35.

Originalmente, a Turquia produzia 188 peças para o motor de todos os três modelos do F-35. É esperado que os contratos existentes com fornecedores turcos terminem apenas em 2022.

Ancara participou durante anos do programa F-35 norte-americano, mas Washington a expulsou após a ameaçar com sanções, após a compra pela Turquia dos sistemas russos de defesa antiaérea S-400.

Além destes problemas de fornecimento de componentes, os motores também foram a causa da imobilização forçada de 21 modelos F-35A na quinta-feira (22), segundo o general David Abba, que lidera o escritório de integração do F-35.

Os caças americanos de quinta geração F-35 enfrentam há anos problemas de diverso tipo devido à sua complexidade. Em janeiro de 2021 a agência Bloomberg relatou, citando documentos do Pentágono, que o caça tem 871 deficiências de vários tipos, com perigo tanto para o equipamento como para os pilotos, obrigando também a interromper muitas operações iniciadas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала