Venezuela adverte vizinha Colômbia que ataques nas fronteiras sofrerão 'reação contundente'

© Sputnik / Mikhail Alaeddin / Abrir o banco de imagensMilitar venezuelano em posição, na ponte Simón Bolívar, que conecta a Venezuela com a Colômbia, na fronteira da cidade de San Antonio del Táchira. No dia 24 de fevereiro, apoiadores da oposição venezuelana tentaram atravessar a ponte ilegalmente, lançando pedras e coquetéis molotov contra os militares
Militar venezuelano em posição, na ponte Simón Bolívar, que conecta a Venezuela com a Colômbia, na fronteira da cidade de San Antonio del Táchira. No dia 24 de fevereiro, apoiadores da oposição venezuelana tentaram atravessar a ponte ilegalmente, lançando pedras e coquetéis molotov contra os militares - Sputnik Brasil, 1920, 25.03.2021
Nos siga noTelegram
Após ataques armados a uma de suas alfândegas na fronteira por grupos irregulares colombianos, Venezuela pronunciou-se sobre soberania e integridade territorial. Dois militares venezuelanos morreram em um dos ataques.

O governo venezuelano advertiu na quarta-feira (24) que "qualquer tentativa de violação da integridade territorial" da Venezuela "terá reação contundente". O pronunciamento ocorre depois de uma alfândega, no estado limítrofe de Apure, ter sido atacada por grupos irregulares colombianos.

Por meio de nota, o Ministério das Relações Exteriores venezuelano também rejeitou as declarações do governo de Iván Duque que, após o ataque armado que culminou na morte de dois militares venezuelanos, expressou sua "suposta preocupação" com as operações de defesa do território realizadas pela Força Armada Nacional Bolivariana (FANB).

Nos últimos dias ocorreram pelo menos dois confrontos na zona fronteiriça com a Colômbia, devido ao fato de tropas da FANB tentarem conter as ações de grupos colombianos que tentam invadir.

​A Venezuela rejeita as declarações da chancelaria colombiana a respeito de uma "suposta preocupação" com as operações da FANB no estado de Apure. Qualquer tentativa de violar a integridade territorial da Venezuela terá uma reação contundente.

"O abandono das fronteiras pelo Estado colombiano é um fato comprovado, outorgando mais do que o consentimento tácito às ações dos diversos grupos criminosos que atuam na área", diz o texto oficial divulgado por Caracas, que denuncia que essas organizações armadas agem contra a população civil ao atacar instalações de serviços elétricos, o fisco e a estatal petrolífera.

Acusações contra Duque e o Comando Sul dos EUA

Além dos acontecimentos desta semana, o governo venezuelano acusa o governo Duque de ter "instalado um corredor de atividades ilegais como tráfico de pessoas, exploração ilegal de minérios e narcotráfico", com o apoio do Comando Sul dos Estados Unidos e seu recém-criado grupo de elite de sete mil homens.

Para Caracas, o objetivo do "corredor" é financiar grupos armados contra a Venezuela. Por isso, frisou que a FANB manterá a sua atuação na zona de fronteira.

"Estas operações têm o apoio do povo venezuelano, que repudia as diferentes formas de violência derivadas de mais de 70 anos de guerra colombiana", acrescentou o comunicado.

A Venezuela reitera que "efetivamente garantirá a paz no território nacional" e repelirá qualquer tentativa de violação de sua integridade territorial, "convencional ou encoberta, por qualquer organização armada, regular ou irregular".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала