'Mania de espionagem': Rússia critica decisão da Bulgária de expulsar 2 diplomatas russos

© Foto / Pixabay / petto123Palácio em Sófia, Bulgária (imagem referencial)
Palácio em Sófia, Bulgária (imagem referencial) - Sputnik Brasil, 1920, 22.03.2021
Nos siga noTelegram
Após um caso de alegada espionagem de representantes russos na Bulgária, Sófia anunciou que dois diplomatas da Rússia têm agora um prazo de 72 horas para deixar o país.

As autoridades búlgaras declararam dois diplomatas russos "personae non gratae" em conexão a "escândalo da espionagem", referiu a Embaixada da Rússia em Sófia, Bulgária.

"A investigação concluiu que dois cidadãos da Federação da Rússia conduziram atividades de inteligência sem controle, incompatíveis com as relações diplomáticas", disse a promotoria búlgara em uma declaração.

Os diplomatas russos receberam 72 horas para deixar o país.

A embaixada russa descreveu a expulsão dos representantes como infundada.

"Somos lamentavelmente obrigados a declarar que esta última diligência sem fundamento das autoridades búlgaras não contribuirá para a construção de um diálogo construtivo russo-búlgaro", mencionando também que Moscou se reserva o direito de responder.

Leonid Slutsky, diretor do Comitê Estatal da Duma Federal, câmara baixa do Parlamento russo, também criticou a decisão de Sófia, afirmando ser baseada em "mania de espionagem".

"A mania de espionagem está se intensificando na Bulgária. Este não é o primeiro caso de expulsão de diplomatas russos por razões rebuscadas em um período de tempo muito curto. Como em todas as outras situações, a Rússia, tenho certeza, responderá de forma recíproca", comentou, em referência a semelhantes passos em 2020.

"Ao mesmo tempo, não se pode deixar de notar que tais medidas complicam seriamente as relações bilaterais e incentivam do nada o desenvolvimento de tendências russofóbicas nas estruturas europeias."

Entenda o caso

Na última semana, o Ministério Público da Bulgária anunciou a detenção de seis pessoas relacionadas à segurança nacional que alegadamente "transmitiram dados confidenciais a outro Estado", incluindo documentos da OTAN encontrados na casa de Petr Petrov, coronel e vice-presidente do Departamento de Orçamento do Ministério da Defesa da Rússia. Um suspeito foi liberado sob fiança.

Incidentes semelhantes ocorreram em 2020, com Moscou apontando a falta de provas e respondendo da mesma forma.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала