EUA pretendem usar inteligência artificial para elevar capacidade de guerra eletrônica do caça F-15

© AFP 2022 / Oli ScarffCaça F-15 da Força Aérea dos EUA
Caça F-15 da Força Aérea dos EUA - Sputnik Brasil, 1920, 16.03.2021
Nos siga noTelegram
A Força Aérea dos EUA pretende adicionar capacidades de "guerra eletrônica cognitiva" aos caças F-15 da Boeing.

De acordo com o portal Flight Global, a instituição pretende elevar as capacidades de guerra eletrônica através da implantação de inteligência artificial e aprendizado de algoritmos.

Atualmente, a aeronave conta com um banco de dados de emissões eletrônicas conhecidas de seus adversários para identificar e conter as ameaças.

Contudo, os EUA seguem observando os avanços dos sistemas de radar adversários, capazes de rastrear as aeronaves norte-americanas com novos sinais, que não estão no banco de dados do país, tornando suas aeronaves vulneráveis.

A guerra eletrônica cognitiva tem como objetivo utilizar a inteligência artificial (IA) e o aprendizado de máquina para identificar rapidamente estes novos sinais.

Oficiais do Centro de Gerenciamento do Ciclo de Vida da Força Aérea na Base de Wright-Patterson, estado de Ohio, emitiram um pedido de informações na quinta-feira (11) para o projeto de IA.

Apesar de não falar sobre os detalhes, sabe-se que a Força Aérea está interessada em tecnologias que forneçam rápida reprogramação de guerra eletrônica cognitiva e capacidade de aprendizado "para os sistemas responderem de uma maneira mais rápida e inteligente contra os adversários".

O Escritório do Programa F-15 da Força Aérea busca tecnologias que poderiam ser instaladas nos próximos dois anos nos sistemas de guerra eletrônica em desenvolvimento para os caças F-15.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала