Israel estará livre da pandemia até o final de abril, diz embaixador israelense

© AP Photo / Sebastian ScheinerCidadã israelense recebendo vacina da Pfizer/BioNTech em Tel Aviv, Israel
Cidadã israelense recebendo vacina da Pfizer/BioNTech em Tel Aviv, Israel - Sputnik Brasil, 1920, 15.03.2021
Nos siga noTelegram
No máximo, mais um mês e meio de pandemia: Israel – um dos Estados com a maior porcentagem da população já vacinada contra a COVID-19 – planeja estar livre da pandemia até o final de abril.

O planejamento do país foi expresso em declaração de Alexander Ben Zvi, embaixador de Israel na Rússia, na manhã desta segunda-feira (15).

"Acho que até o final de abril teremos uma situação em que poderemos dizer que vencemos o vírus, se não houver surpresas", disse Ben Zvi em entrevista coletiva em Moscou.

A intenção das autoridades israelenses é suspender o uso de máscaras ao ar livre a partir de abril. Para eventos realizados em ambientes fechados, no entanto, o uso da proteção deverá continuar sendo obrigatório, segundo o Ministério da Saúde de Israel.

Israel registrou quase 820 mil casos de COVID-19 desde o início da pandemia, com mais de 6.000 mortes, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. Com mais de 5,1 milhões de pessoas tendo recebido a primeira dose da vacina e 4,2 milhões já imunizados com duas doses, Israel teve um dos programas de imunização mais rápidos do mundo. A população do país é de cerca de nove milhões de pessoas.

O Estado registrou uma média de nove mil novos casos de infecção por dia em meados de janeiro. Com a vacinação, Israel teve na semana passada uma redução significativa nos novos casos, com cerca de metade do número de infecções relatadas em comparação com o início do ano.

© AP Photo / Gali TibbonEm Jerusalém, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, usa máscara contra a COVID-19 durante sua reunião semanal de gabinete, em 5 de julho de 2020.
Israel estará livre da pandemia até o final de abril, diz embaixador israelense - Sputnik Brasil, 1920, 15.03.2021
Em Jerusalém, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, usa máscara contra a COVID-19 durante sua reunião semanal de gabinete, em 5 de julho de 2020.

Na semana passada, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, concluiu uma visita ao Estado de Israel. O principal motivo da visita foi o spray nasal que  seria supostamente "milagroso" contra a COVID-19. No entanto, a visita também teve importantes repercussões para a política externa brasileira, para a permanência do chanceler no cargo e para o futuro das relações entre Brasil e Israel.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала