MRE russo: instalação de mísseis dos EUA na Ásia-Pacífico levaria a nova 'corrida armamentista'

© Sputnik / Vitaly AnkovCruzador de mísseis da Frota do Pacífico na baía de Vladivostok depois de seu regresso da longa viagem a países da região Ásia-Pacífico
Cruzador de mísseis da Frota do Pacífico na baía de Vladivostok depois de seu regresso da longa viagem a países da região Ásia-Pacífico - Sputnik Brasil, 1920, 12.03.2021
Nos siga noTelegram
O possível posicionamento de mísseis terrestres norte-americanos na região da Ásia-Pacífico pode provocar nova rodada de corrida armamentista com consequências imprevisíveis, afirmou a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo.

"Nós prestamos atenção a uma informação em mídias japonesas de que Tóquio e Washington poderiam discutir no futuro próximo a questão das perspectivas de instalação de mísseis norte-americanos no Japão, tal como segue do contexto, nós nos baseamos em publicações nas mídias japonesas, trata-se provavelmente de meios de médio alcance baseados em terra", disse Maria Zakharova durante coletiva de imprensa.

"Nesse âmbito, queríamos ressaltar mais uma vez que o posicionamento de mísseis terrestres norte-americanos de alcance médio e intermediário em qualquer configuração em várias regiões do mundo, inclusive na Ásia-Pacífico, teria um efeito extremamente desestabilizador do ponto de vista da segurança internacional e regional. Isto provocaria uma nova rodada na corrida armamentista com consequências imprevisíveis", adicionou a representante oficial.

Segundo suas palavras, tal cenário não fortalecerá nem a segurança norte-americana, nem a de seus aliados.

"Entretanto, o surgimento de ameaças de mísseis adicionais para o território russo, sem dúvidas, desencadeará uma reação de nossa parte. Nós apelamos de novo a todas as partes interessadas para uma busca conjunta das vias de regulação político-diplomática da situação criada após Washington provocar o colapso do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário [Tratado INF]. Nós também continuamos abertos para um trabalho construtivo e em pé de igualdade para a restauração da confiança e o reforço da segurança internacional e estabilidade estratégica no mundo após o Tratado INF", ressaltou Zakharova.

Em agosto de 2019, os EUA, por iniciativa própria, decidiram abandonar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, criado no final da Guerra Fria com o intuito de pôr limites aos arsenais nucleares tanto da União Soviética quanto dos EUA.

Apenas três semanas após a saída, os EUA realizaram um teste com mísseis cujo desenvolvimento estava proibido pelo documento, demonstrando ter criado esse armamento ainda durante a vigência do tratado. Moscou anunciou várias vezes que critica firmemente a decisão sobre a saída do Tratado, que aumenta muito os riscos de confrontação.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала