Estudo revela que mulheres grávidas têm COVID-19 grave com dobro da frequência

© REUTERS / Hannah BeierGrávida recebe a vacina da Pfizer/BioNTech contra a COVID-19, EUA, 11 de fevereiro de 2021
Grávida recebe a vacina da Pfizer/BioNTech contra a COVID-19, EUA, 11 de fevereiro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 12.03.2021
Nos siga noTelegram
Cientistas descobriram que as mulheres grávidas têm a forma grave da infecção pelo novo coronavírus com duas vezes maior frequência que as outras mulheres.

Especialistas da Universidade de Birmingham, Reino Unido, analisaram os resultados de 192 pesquisas sobre o impacto do coronavírus às mulheres grávidas e crianças, segundo estudo publicado na revista BMJ.

As mulheres grávidas foram tratadas à COVID-19 em unidades de terapia intensiva (UTI) com uma frequência 2,1 vezes maior, conforme os dados. O risco de necessidade de ventilação pulmonar foi 2,6 vezes mais alto, comparando com as outras mulheres.

Foi revelado que o risco de doença grave da COVID-19 é mais alto entre as mulheres de minorias étnicas e as que têm doenças crônicas.

Mulheres grávidas infetadas com COVID-19, quando comparadas com mulheres grávidas sem coronavírus, têm maior probabilidade de parto prematuro e poderiam ter risco acrescido de morte materna e de serem admitidas em UTI. Seus bebês têm maior probabilidade de serem admitidos em unidades neonatais.

Além disso, o estudo mostrou que as mulheres grávidas sofreram menos de sintomas do coronavírus tais como febre, falta de ar e dores musculares.

O Brasil já registrou 11.277.717 casos, 272.889 mortes e 9.984.822 pacientes recuperados da COVID-19. No mundo há 118.695.074 casos confirmados, 2.632.041 óbitos e 67.216.222 pacientes recuperados do coronavírus.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала