China diz que responderá a 'ameaças' após passagem de 3º destróier dos EUA pelo estreito de Taiwan

© Foto / 7ª Frota da Marinha dos EUAUSS John Finn 10 de março de 2021
USS John Finn 10 de março de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 11.03.2021
Nos siga noTelegram
China interpreta terceira passagem de destróier norte-americano como provocação e acusa os EUA de "desestabilizarem a paz na região".

Na quarta-feira (10), o destróier de mísseis guiados USS John Finn, da classe Arleigh Burke, navegou pelo estreito de Taiwan, sendo esta a terceira navegação de um contratorpedeiro norte-americano nas águas do mar do Sul da China desde que Joe Biden assumiu o cargo da presidência em Washington.

De acordo com um comunicado da 7ª Frota da Marinha dos Estados Unidos, o destróier estava realizando "um trânsito de rotina" conforme consta no direito internacional. 

Nesta quinta-feira (11), em resposta, o porta-voz do Comando do Teatro Oriental do Exército de Libertação Chinês (ELP), Zhang Chunhui, emitiu outro comunicado alegando que a passagem do contratorpedeiro afeta a paz na região.

"A ação do navio da Marinha dos EUA enviou sinais errôneos, interferiu deliberadamente e minou a situação regional, prejudicou seriamente a paz e a estabilidade em todo o estreito de Taiwan. A China se opõe firmemente a isso", disse o porta-voz no comunicado.

Chunhui afirmou que o ELP conduziu todo o processo de rastreamento e monitoramento do destróier norte-americano, mantendo-se em alerta máximo, e se preparando para responder a toda e qualquer ameaça e provocação oriundas do governo dos EUA.

Pela relação mais aproximada com Taiwan e as constantes navegações realizadas por navios da Marinha norte-americana no estreito - ações que China encara como provocações e afrontas - os EUA vêm tornando o estreito de Taiwan o ponto mais "quente" da geopolítica atual.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала