UE bloqueará exportações de vacinas até que fabricantes honrem contratos, diz chanceler da Itália

© AP Photo / Andrew MedichiniEm Roma, o ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio, fala usando máscara de proteção contra a COVID-19 durante sessão do Senado italiano, em 24 de fevereiro de 2021
Em Roma, o ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio, fala usando máscara de proteção contra a COVID-19 durante sessão do Senado italiano, em 24 de fevereiro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 05.03.2021
Nos siga noTelegram
A União Europeia (UE) continuará impedindo que vacinas contra a COVID-19 deixem o bloco até que os fabricantes dos imunizantes cumpram suas obrigações contratuais com a Europa, afirmou nesta sexta-feira (5) o chanceler italiano, Luigi Di Maio.

Na quinta-feira (4), a Itália confirmou o bloqueio do envio de 250 mil doses da vacina contra a COVID-19 da AstraZeneca/Oxford para a Austrália, em meio às preocupações sobre atrasos nas entregas de vacinas ao bloco europeu.

De acordo com Roma, a Itália agiu em coordenação com Bruxelas, respeitando os novos regulamentos da UE que permitem que as exportações sejam interrompidas caso um fabricante de vacinas não cumpra suas obrigações com o bloco.

"As empresas farmacêuticas estão atrasando os fornecimentos que garantiram à UE. Os atrasos são inaceitáveis [​​...]. Enquanto houver tais atrasos, é certo que as nações da UE bloqueiem os fornecimentos a países que não são vulneráveis", disse Di Maio durante uma coletiva de imprensa conjunta com o chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, em Roma.
© AP Photo / Rafiq MaqboolFuncionários do Instituto Serum, na Índia, manipulam vacinas contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.
UE bloqueará exportações de vacinas até que fabricantes honrem contratos, diz chanceler da Itália - Sputnik Brasil, 1920, 05.03.2021
Funcionários do Instituto Serum, na Índia, manipulam vacinas contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.

O ministro italiano reiterou a solidariedade com "todos os países que passam por dificuldades".

"Mas a Itália e a Europa precisam exigir o cumprimento dos contratos e prazos de entrega das vacinas", argumentou.

O líder da diplomacia italiana enfatizou que a medida "não foi um ato hostil contra a Austrália", já que Roma "apenas invocou um regulamento europeu em coordenação com as autoridades europeias". O governo australiano já pediu à Comissão Europeia para revisar a decisão.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала