Protesto contra o premiê armênio reúne cerca de 10 mil pessoas em Erevan

© AP Photo / Hrant KhachatryanEm Erevan, capital da Armênia, manifestantes da oposição participam de protesto pedindo a renúncia do primeiro-ministro do país, Nikol Pashinyan, em 27 de fevereiro de 2021
Em Erevan, capital da Armênia, manifestantes da oposição participam de protesto pedindo a renúncia do primeiro-ministro do país, Nikol Pashinyan, em 27 de fevereiro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 27.02.2021
Nos siga noTelegram
Cerca de dez mil opositores do primeiro-ministro armênio, Nikol Pashinyan, se reuniram para uma manifestação em frente ao prédio do parlamento na capital Erevan, informou um correspondente da Sputnik neste sábado (27).

Os manifestantes pedindo a renúncia do premiê bloquearam o tráfego na região do parlamento armênio e distribuíram chá e bolos para os participantes. Apesar da forte presença da polícia no local, os agentes de segurança não intervieram no protesto, mas bloquearam os acessos à avenida principal no local e isolaram o edifício do parlamento.

Os protestos também aconteceram fora da capital armênia. Na cidade de Kapan, no sudeste do país, os moradores saíram às ruas para expressar solidariedade aos militares armênios, que também exigiram a renúncia de Pashinyan. O prefeito de Kapan, Gevorg Parsyan, que participou do protesto, criticou o primeiro-ministro por aprofundar a crise doméstica e cortar os laços com a Rússia.

"Todos os dias ele faz algumas declarações ridículas. Qual é o problema dele com Iskander? Ele arruinou as relações com a Rússia e causou problemas com o Estado-Maior das Forças Armadas. Este poder político mergulhou o país em uma crise profunda e no caos - o sistema de governança não funciona e isso está nos levando a um colapso", disse Parsyan durante a manifestação.
© Sputnik / Aram Nersesyan / Abrir o banco de imagensPremiê armênio, Nikol Pashinyan fala durante manifestação a seu favor em Erevan, Armênia
Protesto contra o premiê armênio reúne cerca de 10 mil pessoas em Erevan - Sputnik Brasil, 1920, 27.02.2021
Premiê armênio, Nikol Pashinyan fala durante manifestação a seu favor em Erevan, Armênia

Os protestos em Erevan começaram na quinta-feira (25), após Pashinyan pedir a demissão de oficiais militares de alto escalão, incluindo o chefe do Exército, Onik Gasparyan, e o vice-chefe Tiran Khachatryan, que teria zombado de um polêmico comentário do primeiro-ministro sobre supostas falhas nos mísseis Iskander fornecidos pela Rússia, durante o recente conflito com o Azerbaijão na região de Nagorno-Karabakh.

Os militares exigiram a saída de Pashinyan, o que o primeiro-ministro chamou de tentativa de golpe. Mais cedo, neste sábado (27), o presidente armênio, Armen Sarkisyan, recusou o pedido de Pashinyan para demitir Gasparyan, por considerar a demissão inconstitucional.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала