Especialista aponta 3 razões para Pequim querer controlar o mar do Sul da China

© AP Photo / Xinhua / Wang CunfuNavios de pesca chineses navegam perto de um farol no recife de Zhubi, nas ilhas Spratly, no mar do Sul da China, em 18 de julho de 2012
Navios de pesca chineses navegam perto de um farol no recife de Zhubi, nas ilhas Spratly, no mar do Sul da China, em 18 de julho de 2012 - Sputnik Brasil, 1920, 26.02.2021
Nos siga noTelegram
Para especialista japonês, há três motivos principais para Pequim tentar assumir o controle do mar do Sul da China, uma região oceânica muito disputada.

O mar do Sul da China é a chave para a segurança de Pequim, afirma Bonji Ohara, membro sênior da Fundação Sasakawa Peace, com sede em Tóquio, Japão, à agência Anadolu na quinta-feira (25). Especialista em defesa, Ohara apontou três motivos para a China querer controlar a região.

"Em primeiro lugar, o mar do Sul da China é importante para a patrulha estratégica do SSBN [sigla em inglês para submarinos armados com mísseis balísticos nucleares] chinês, que precisa entrar no oceano Pacífico ocidental para sua dissuasão nuclear contra os EUA", começou por enumerar.

Além disso, o transporte marítimo da China precisa de rotas marítimas, ressalta Ohara. O mar do Sul da China responde por pelo menos um terço do comércio marítimo global. Embora se diga que enormes reservas de petróleo e gás natural estão abaixo do fundo do mar, é também um local de pesca crucial para a segurança alimentar.

Por fim, Ohara alerta que o mar do Sul da China servirá como uma zona-tampão para a Pequim se e quando "os EUA realizarem um ataque militar contra a China continental".

A tensão entre os dois países não diminuiu após a posse do novo presidente norte-americano. Os dois países se acusam regularmente de envolvimento em ações "desestabilizadoras" na região, especialmente no estreito de Taiwan.

© Foto / Markus Castaneda, especialista em Comunicação de Massa de 2ª ClasseUSS John S. McCain, destróier de mísseis guiados, em operações marítimas no estreito de Taiwan, 30 de dezembro de 2020
Especialista aponta 3 razões para Pequim querer controlar o mar do Sul da China - Sputnik Brasil, 1920, 26.02.2021
USS John S. McCain, destróier de mísseis guiados, em operações marítimas no estreito de Taiwan, 30 de dezembro de 2020

Na quinta-feira (26), por exemplo, Pequim afirmou que o navio USS Curtis Wilbur atravessou o estreito de Taiwan. A China tem censurado tais travessias como violação de sua soberania, pois diz que Taipé faz parte do princípio de Uma Só China.

Para conter a influência crescente da China na região da Ásia-Pacífico, foi criado em 2017 o Diálogo de Segurança Quadrilateral (Quad, na sigla em inglês), que conta a participação dos EUA, Japão, Austrália e Índia. O acordo visa a criação de um quadro de segurança para o Indo-Pacífico, de modo a patrulhar e exercer influência do oceano Índico ao Pacífico, bem como dos disputados mares do Sul da China e da China Oriental.

A China tem reivindicações territoriais conflitantes com Brunei, Malásia, Filipinas, Vietnã e Taiwan no mar do Sul da China. Pequim ocupa cerca de 90% do mar, que abrange uma área de cerca de 3,5 milhões de quilômetros quadrados.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала