Cepa britânica da COVID-19 'vai varrer o mundo todo', avisa cientista do Reino Unido

© REUTERS / Toby MelvilleA public health information message is seen on a footpath in West Ealing as the South African variant of the novel coronavirus is reported in parts of the United Kingdom amid the spread of the coronavirus disease (COVID-19), London, Britain, February 1, 2021.
A public health information message is seen on a footpath in West Ealing as the South African variant of the novel coronavirus is reported in parts of the United Kingdom amid the spread of the coronavirus disease (COVID-19), London, Britain, February 1, 2021. - Sputnik Brasil, 1920, 11.02.2021
Nos siga noTelegram
O geneticista Sharon Peacock, do Reino Unido, referiu o perigo que as novas cepas do coronavírus representam para o mundo, e que por isso será necessário sequenciar novas cepas nos próximos dez anos.

A cepa britânica da COVID-19 deve tornar-se a mais dominante no mundo, prevê Sharon Peacock, diretora do programa de vigilância genética do Reino Unido, em declarações à emissora BBC.

Segundo avisou, a variante, que é cerca de 70% mais infecciosa que as cepas originais, "vai varrer o mundo todo", da mesma forma que "varreu" o Reino Unido.

Recentemente, cientistas apontaram que a cepa do Reino Unido desenvolveu a mutação E484K, o que permitiu que a versão da África do Sul tenha se tornado tão ameaçadora.

Por causa disso, Peacock disse que os cientistas podem ter a necessidade de sequenciar as novas variantes do SARS-CoV-2 ao longo dos próximos dez anos, de forma a reduzir o risco que representam aos países.

A cepa do Reino Unido foi descoberta originalmente em setembro de 2020 no condado inglês do sudeste de Kent, e tem sido detectada em mais de 50 países pelo mundo afora, incluindo o Brasil e Portugal.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала