- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Justiça do Trabalho proíbe demissão de funcionários da Ford no Brasil

© Folhapress / Luís Lima Jr/FotoarenaTrabalhadores da Ford em Taubaté realizaram um protesto na portaria principal da fábrica. Eles colocaram uniformes pendurados nas grades da empresa e anotaram em cada camisa o nome das famílias que serão afetadas pelo fechamento da montadora.
Trabalhadores da Ford em Taubaté realizaram um protesto na portaria principal da fábrica. Eles colocaram uniformes pendurados nas grades da empresa e anotaram em cada camisa o nome das famílias que serão afetadas pelo fechamento da montadora. - Sputnik Brasil, 1920, 06.02.2021
Nos siga noTelegram
A Justiça do Trabalho concedeu duas liminares na noite desta sexta-feira (5) suspendendo a demissão em massa de funcionários das fábricas da Ford em Camaçari (BA) e Taubaté (SP).

A montadora fica proibida de suspender o pagamento de salários e de licenças remuneradas enquanto os contratos de trabalho estiverem em vigor. As informações foram publicadas pelo portal G1.

Em Taubaté, a juíza Andréia de Oliveira, da 2ª Vara Federal do Trabalho, proibiu a Ford de vender maquinário e outros bens da unidade. Ela determinou que a montadora apresente um cronograma de negociação coletiva em 30 dias.

"O caso dos autos não envolve a dispensa sem justa causa de um único trabalhador, onde o impacto é sentido por uma família apenas. A dimensão da empresa, o número de empregos diretos e indiretos atingidos e o impacto social para o país não comportam uma solução simplista para o caso", escreveu a magistrada.

A decisão desta sexta-feira (5) é em caráter liminar e a empresa ainda pode recorrer.

Na Bahia, o juiz Leonardo de Moura Landulfo Jorge, da 3ª Vara do Trabalho de Camaçari, determinou que poderá ser aplicada multa de R$ 1 milhão por norma descumprida e R$ 50.000 por trabalhador atingido.

A empresa também não pode, segundo a decisão, praticar "assédio moral negocial, de apresentar ou oferecer propostas, ou valores de forma individual aos trabalhadores, durante a negociação coletiva, devendo, caso seja do seu interesse, informar a coletividade das tratativas através de comunicados oficiais".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала