- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Vacina de Oxford no Brasil: 3 milhões de doses são adiadas para o 2º semestre

© REUTERS / Francis MascarenhasFuncionário manipula vacina da Oxford/AstraZeneca na laboratório Serum, na Índia.
Funcionário manipula vacina da Oxford/AstraZeneca na laboratório Serum, na Índia. - Sputnik Brasil, 1920, 03.02.2021
Nos siga noTelegram
A expectativa era de que o país recebesse mais de dez milhões de doses até o meio do ano. Contudo, no novo cronograma da COVAX Facility, a estimativa é de 1,6 milhão de doses no primeiro trimestre e de mais seis milhões nos três meses seguintes.

A chegada de três milhões de doses da vacina da Oxford/AstraZeneca no Brasil será adiada para o segundo semestre de 2021, informou o consórcio internacional COVAX Facility em documento publicado nesta quarta-feira (3).

A estimativa agora é que o país receba apenas 1,6 milhão de doses no primeiro trimestre e seis milhões nos três meses seguintes, entre abril e junho. Até então, a previsão era de que o Brasil recebesse 10.672.800 de doses até o meio do ano.

A COVAX Facility, programa mundial para impulsionar o desenvolvimento de vacinas contra a COVID-19, ressaltou que não estão descartados novos cortes ou adiamento de prazos.

© Folhapress / Caio RochaMinistro interino da Saúde, Eduardo Pazuello em lançamento das Ações em Saúde em Defesa da Vida na Universidade Unichristus, Fortaleza, Brasil, 11 de setembro de 2020
Vacina de Oxford no Brasil: 3 milhões de doses são adiadas para o 2º semestre - Sputnik Brasil, 1920, 03.02.2021
Ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello em lançamento das Ações em Saúde em Defesa da Vida na Universidade Unichristus, Fortaleza, Brasil, 11 de setembro de 2020

No último sábado (30), o Ministério da Saúde do país anunciou que esperava receber entre dez e 14 milhões de doses do imunizante da Oxford/AstraZeneca.

Para ser distribuído pelo consórcio, porém, o produto precisa de autorização do departamento de vacinas da Organização Mundial da Saúde (OMS), algo que só deverá ocorrer com a AstraZeneca a partir da segunda metade de fevereiro, de acordo com o balanço mais recente da entidade.

A chegada dos imunizantes depende ainda de exigências burocráticas envolvendo a transferência do consórcio para os países envolvidos, da capacidade de produção e da oferta de transporte. As vacinas que a COVAX enviará ao Brasil virão da Coreia do Sul.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала