- Sputnik Brasil, 1920
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Laboratório pedirá autorização à Anvisa para testes com vacina indiana no Brasil

© REUTERS / Adnan AbidiProfissional de saúde recebe vacina Covaxin contra COVID-19 em Nova Déli, na Índia
Profissional de saúde recebe vacina Covaxin contra COVID-19 em Nova Déli, na Índia - Sputnik Brasil, 1920, 01.02.2021
Nos siga noTelegram
A Precisa Medicamentos, que representa o laboratório Bharat Biotech, vai pedir à Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorização para realizar testes de fase três no Brasil com a vacina Covaxin. 

Segundo o portal G1, a importadora brasileira negocia a venda do imunizante contra a COVID-19 para a rede privada brasileira. A Anvisa exige a realização de ensaios clínicos no Brasil para autorizar uso emergencial no país. 

A Precisa Medicamentos fez acordo de intermediação com a Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC), que pretende distribuir o imunizante para cerca de 300 clínicas particulares associadas à entidade. 

Venda para empresas gera polêmica

A possibilidade de venda de doses de vacinas contra o coronavírus para o setor privado gerou polêmica na semana passada. Segundo reportagens na mídia, houve uma reunião entre representantes de empresas e integrantes do governo para facilitar a compra de 33 milhões de doses da vacina de Oxford. 

O laboratório AstraZeneca, que produz o imunizante, negou qualquer acordo que não seja com governos de países. 

De acordo com a matéria do G1, em dezembro de 2020, uma comissão da Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas viajou à Índia para negociar com o laboratório Bharat a compra de cinco milhões de doses. Um hospital brasileiro ficaria responsável pelo desenvolvimento dos testes com voluntários. 

Vacina em 2 doses

O imunizante foi citado pelo governo federal em seu plano nacional de vacinação, mas, até o momento, ainda não houve nenhum tipo de acordo. Segundo o laboratório Bharat, a entrega de doses para o setor privado não afetaria uma possível distribuição ao governo brasileiro. 

Estudos clínicos com a Covaxin na Índia demonstraram que a vacina, aplicada em duas doses, não gera efeitos colaterais graves e produz anticorpos contra o coronavírus. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала