Manifestantes protestam contra projeto de legalização do aborto na Argentina

© REUTERS / Agustin MarcarianManifestante protesta contra projeto de lei de legalização do aborto na Argentina
Manifestante protesta contra projeto de lei de legalização do aborto na Argentina - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Milhares de pessoas se manifestaram neste sábado (28) diante do Congresso argentino em repúdio ao projeto de lei enviado recentemente pelo governo para legalizar o aborto.

Segundo a agência Reuters, a mobilização aconteceu na capital Buenos Aires e foi replicada nas principais cidades do interior argentino.

O presidente Alberto Fernández enviou há alguns dias a iniciativa com a qual se comprometeu publicamente e que era esperada pelos movimentos feministas, que há anos defendem sua aprovação.

"Estamos aqui para defender as duas vidas, a da mãe e do bebê, por isso, de forma pacífica, queremos dizer ao governo e aos legisladores que eles estão errados se aprovarem essa aberração", disse à Reuters Lorena Giacchino, uma estudante de 27 anos.

Mulheres com crianças, famílias inteiras e sacerdotes estavam entre os manifestantes pacíficos, cuja maioria ostentava lenços azuis, um símbolo dos que se opõem à legalização do aborto no país.

© Sputnik / Rafael ReyManifestação contra o aborto na Argentina
Manifestantes protestam contra projeto de legalização do aborto na Argentina - Sputnik Brasil
Manifestação contra o aborto na Argentina

A iniciativa oficial vai legalizar a "interrupção voluntária da gravidez" na Argentina e conta com amplo respaldo social, mas é fortemente questionada por setores religiosos.

A lei que vigora na Argentina é de 1921 e só permite a interrupção voluntária da gravidez quando há grave risco de saúde para a mãe ou em casos de estupro. Os ativistas em defesa da descriminalização do aborto, porém, alegam que as mulheres muitas vezes não recebem o atendimento adequado, citando diferenças por região e classe social.

Em 2018, o projeto de despenalização do aborto chegou ao parlamento, mas por pouco não conseguiu se tornar lei.

"O debate não é dizer sim ou não ao aborto. Os abortos ocorrem clandestinamente e colocam em risco a saúde e a vida das mulheres que os praticam. Portanto, o dilema que devemos superar é se os abortos são praticados clandestinamente ou no sistema de saúde argentino", disse o presidente Fernández recentemente.

A penalização do aborto fracassou como política. Morrem mulheres por abortos clandestinos e outras sofrem graves sequelas em sua saúde. Ratifico o meu compromisso para legalizar o aborto, garantir o acesso aos serviços de saúde e implementar com eficácia o ESI [Programa Nacional de Educação Sexual Integral]. 

O projeto não foi encaminhado previamente ao Legislativo devido à chegada do novo coronavírus no país, que causou uma das quarentenas mais rígidas do mundo.

O aborto é ilegal em quase toda a América Latina, uma das regiões mais perigosas do mundo para as mulheres. Dos 21 países da região, apenas Cuba, Uruguai, Guiana e Porto Rico legalizaram a prática sem condições.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала