- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Segurança diz em depoimento que intenção era imobilizar Beto e que vítima ficou agressiva

© Folhapress / Fernando AlvesSupermercado da rede Carrefour onde João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos, foi espancado até a morte por dois seguranças do local.
Supermercado da rede Carrefour onde João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos, foi espancado até a morte por dois seguranças do local. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Preso pela morte de João Alberto, que era conhecido como Beto, em um supermercado da rede Carrefour, o PM temporário Giovane Gaspar da Silva, de 24 anos, prestou depoimento nesta sexta-feira (27).

No depoimento, que durou cerca de quatro horas, Giovane afirmou que pretendia apenas imobilizar a vítima, e negou que tivesse tido a intenção de matar João Alberto.

O PM temporário disse ainda que Beto ficou "extremamente agressivo", e que agiu com o intuito de contê-lo. Giovane contou também que foi chamado no rádio para prestar auxílio em um dos caixas do supermercado.

"Ele avistou a vítima com feição braba, nas palavras dele, bateu no ombro dele [de João Alberto] e perguntou se estava tudo bem. [Beto] disse que estava tudo bem e deu as costas", contou a delegada responsável pelo caso, Roberta Bertoldo, segundo informa o portal UOL.

No depoimento, Giovane salientou que também foi agredido por João Alberto e que respondia à fiscal Adriana Alves Dutra, 51 anos.

© REUTERS / Diego VaraManifestante discute com policiais durante protesto contra a morte de João Alberto, em Porto Alegre.
Segurança diz em depoimento que intenção era imobilizar Beto e que vítima ficou agressiva - Sputnik Brasil
Manifestante discute com policiais durante protesto contra a morte de João Alberto, em Porto Alegre.

Tanto Giovane como Adriana foram presos pelo caso. Giovane foi detido em flagrante ao lado de Magno Braz Borges, de 30 anos, também segurança da loja. Adriana foi presa nesta segunda-feira (23) por omissão, uma vez que não tentou interromper as agressões.

Nesta quarta-feira (25), a Defensoria Pública do Rio Grande do Sul pediu R$ 200 mihões de indenização ao Carrefour por danos morais coletivos e sociais, e disse que o valor será destinado a fundos de defesa do consumidor e de combate à discriminação.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала