Aviões da OTAN não aguentariam muito a defesa antiaérea da Rússia, diz Forbes

© REUTERS / Amir CohenCaça furtivo F-35 da Lockheed Martin
Caça furtivo F-35 da Lockheed Martin - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Força Aérea da OTAN está se tornando cada vez mais furtiva. Porém, sem suficientes aeronaves de combate capazes de escapar de sistemas de radar é improvável que resistam à defesa antiaérea russa, segundo relatório do centro norte-americano de análise estratégica RAND.

Ao todo na Europa, os países-membros da OTAN têm cerca de 1.900 caças e aviões de ataque, sendo apenas 100 deles caças furtivos de quinta geração – os F-35. A maior parte é de quarta geração. Os seus sensores e armas são modernos, mas estas aeronaves não têm capacidades de evitar de serem detectadas por radares e outros sensores.

Mesmo os melhores aviões da quarta geração, tais como Eurofighter Typhoon e Dassault Rafale franceses, são vulneráveis aos sistemas de defesa antiaérea russos S-300 e S-400 que podem abater aviões inimigos a centenas de quilômetros de distância.

© Sputnik / Ministério da Defesa da RússiaSistemas de mísseis terra-ar S-400 Triumph
Aviões da OTAN não aguentariam muito a defesa antiaérea da Rússia, diz Forbes - Sputnik Brasil
Sistemas de mísseis terra-ar S-400 Triumph

De acordo com especialistas do centro RAND, o envio dos referidos caças de quarta geração ao alcance das defesas russas "poderia causar desgaste inaceitável".

"Os primeiros dias de conflito com a Rússia desafiariam a habilidade da OTAN de projetar poder em um ambiente [antiacesso] a fim de eliminar as [defesas antiaéreas], limitar a habilidade das forças terrestres de tomar territórios da Aliança [Atlântica] e abrir caminho para operações subsequentes", aponta a revista Forbes.

Analistas afirmam que caças furtivos F-35 poderiam se aproximar dos sistemas de defesa antiaérea e destruí-los sem serem detectados.

"As aquisições atuais e previstas de aeronaves de quinta geração [...] poderiam alterar radicalmente a forma como a OTAN conduz operações aéreas, melhorando a capacidade de sobrevivência e a letalidade e permitindo um maior envolvimento europeu em alguns dos cenários de missões mais exigentes", conclui artigo.

Recentemente, Alemanha abriu mão de comprar caças F-35 da Lockheed Martin aprovando a aquisição de 38 caças Eurofighter Typhoon da Airbus.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала