Raro tubarão bebê de 2 cabeças é encontrado por pescador na Índia (FOTOS)

© Sputnik / Ilia Pitalev / Abrir o banco de imagensCentro da oceanografia e biologia marinha Moskvarium inaugurado no Parque VDNKh
Centro da oceanografia e biologia marinha Moskvarium inaugurado no Parque VDNKh - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um pescador em Palghar, distrito no oeste da Índia, achou um tubarão bebê, de cerca de 15 centímetros de comprimento e dono de duas cabeças.

O pescador Nitin Patil, do vilarejo litorâneo de Satpati, em Palghar, fisgou do mar um tubarão pequeno de duas cabeças. O indiano fotografou o peixe raro antes de devolvê-lo para a água, de acordo com Hindustan Times.

"Não comemos peixes tão pequenos, especialmente tubarões, por isso pensei que era estranho, mas decidi jogá-lo fora", comentou Patil.

Seus colegas de pesca também ficaram surpreendidos com a descoberta e decidiram compartilhar as imagens com pesquisadores do Conselho Indiano de Pesquisa Agrícola do Instituto Central de Pesquisa de Pesca Marinha (ICAR-CMFRI, na sigla em inglês), de Mumbai.

​Tubarão de duas cabeças (bicéfalo) registrado pela primeira vez nas águas de Maharashtra. Pescador Nitin Patil de Palghar, Satpati, procurou tubarão bicéfalo.

Pesquisadores do CMFRI e biólogos marinhos confirmaram ser uma rara documentação, podendo corresponder ao primeiro tubarão de duas cabeças a ser registrado na costa de Maharashtra.

"Nossos registros mostram que tubarões de duas cabeças são raramente registrados na costa indiana", afirmou K.V. Akhilesh, cientista do ICAR-CMFRI.

Segundo biólogos marinhos, trata-se de embrião malformado de tubarão da família Carcharhiniformes, que é comum em águas de Maharashtra.

Dr. Akhilesh afirmou que as cabeças estão unidas depois das brânquias, sendo tais tubarões raros na natureza. Este fenômeno chama-se bicefalia e é relatado em vários animais, incluindo tubarões. Há poucos registros de bicefalia, que é ligada possivelmente a mutação ou malformação embrionária, de acordo com cientista.

Essas espécies têm baixa taxa de sobrevivência, explicou dr. E. Vivekanandan, outro cientista do ICAR-CMFRI.

"É visto regularmente em espécies de serpentes ou gêmeos siameses em humanos. Na maioria dos casos não sobrevivem além da juventude, mas isso definitivamente abre um caminho para mais pesquisas necessárias."
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала