Protestos na Bielorrússia terminam com mais de 560 pessoas presas

© Sputnik / Viktor Tolochko / Abrir o banco de imagensAgentes da polícia e manifestantes em Minsk, na Bielorrússia
Agentes da polícia e manifestantes em Minsk, na Bielorrússia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Ao menos 560 pessoas foram detidas durante protestos na Bielorrússia neste domingo (11).

O país é palco de constantes manifestações desde o dia 9 de agosto, data que garantiu ao presidente Aleksandr Lukashenko o seu sexto mandato à frente da Bielorrússia. Desde então, a oposição se recusa a aceitar o resultado da votação.

© REUTERS / Tut.ByManifestante durante protestos contra a posse de Aleksandr Lukashenko como presidente da Bielorrússia, em Minsk, 23 de setembro de 2020.
Manifestante durante protestos contra a posse de Aleksandr Lukashenko como presidente da Bielorrússia, em Minsk, 23 de setembro de 2020  - Sputnik Brasil
1/8
Manifestante durante protestos contra a posse de Aleksandr Lukashenko como presidente da Bielorrússia, em Minsk, 23 de setembro de 2020.
© Sputnik / Aleksei MaishevPoliciais e manifestantes durante protestos em Minsk, Bielorrússia, 13 de setembro de 2020.
Policiais e manifestantes durante protestos em Minsk, Bielorrússia, 13 de setembro de 2020 - Sputnik Brasil
2/8
Policiais e manifestantes durante protestos em Minsk, Bielorrússia, 13 de setembro de 2020.
© Sputnik / Aleksei MaishevPoliciais se preparam para atuar em protesto não autorizado em Minsk, Bielorrússia, 13 de setembro de 2020.
Policiais se preparam para atuar em protesto não autorizado em Minsk, Bielorrússia, 13 de setembro de 2020 - Sputnik Brasil
3/8
Policiais se preparam para atuar em protesto não autorizado em Minsk, Bielorrússia, 13 de setembro de 2020.
© REUTERS / Tut.by / HandoutLaw enforcement officers scuffle with demonstrators during a women's rally against police brutality following protests to reject the presidential election results in Minsk, Belarus September 12, 2020.
Detenções na Bielorrússia - Sputnik Brasil
4/8
Law enforcement officers scuffle with demonstrators during a women's rally against police brutality following protests to reject the presidential election results in Minsk, Belarus September 12, 2020.
© Sputnik / Aleksei Maishev / Abrir o banco de imagensParticipante da marcha de mulheres não autorizada Amiga por Amiga em Minsk, Bielorrússia, 12 de setembro de 2020.
Marcha de mulheres não autorizada Amiga por Amiga na Bielorrússia - Sputnik Brasil
5/8
Participante da marcha de mulheres não autorizada Amiga por Amiga em Minsk, Bielorrússia, 12 de setembro de 2020.
© AP Photo / Dmitry LovetskyManifestação em apoio a Svetlana Tikhanovskaya na Bielorrússia.
Manifestação em apoio a Svetlana Tikhanovskaya na Bielorrússia - Sputnik Brasil
6/8
Manifestação em apoio a Svetlana Tikhanovskaya na Bielorrússia.
© Sputnik / Serviço de Imprensa da Presidência da Belarus / Abrir o banco de imagensPresidente belarusso Aleksandr Lukashenko durante uma entrevista a jornalistas russos em Minsk.
Presidente belarusso Aleksandr Lukashenko durante uma entrevista a jornalistas russos em Minsk - Sputnik Brasil
7/8
Presidente belarusso Aleksandr Lukashenko durante uma entrevista a jornalistas russos em Minsk.
© AP Photo / Emissora estatal da BielorrússiaLukashenko chega à sua residência presidencial armado com fuzil.
Lukashenko chega à sua residência presidencial armado com fuzil - Sputnik Brasil
8/8
Lukashenko chega à sua residência presidencial armado com fuzil.
1/8
Manifestante durante protestos contra a posse de Aleksandr Lukashenko como presidente da Bielorrússia, em Minsk, 23 de setembro de 2020.
2/8
Policiais e manifestantes durante protestos em Minsk, Bielorrússia, 13 de setembro de 2020.
3/8
Policiais se preparam para atuar em protesto não autorizado em Minsk, Bielorrússia, 13 de setembro de 2020.
4/8
Law enforcement officers scuffle with demonstrators during a women's rally against police brutality following protests to reject the presidential election results in Minsk, Belarus September 12, 2020.
5/8
Participante da marcha de mulheres não autorizada Amiga por Amiga em Minsk, Bielorrússia, 12 de setembro de 2020.
6/8
Manifestação em apoio a Svetlana Tikhanovskaya na Bielorrússia.
7/8
Presidente belarusso Aleksandr Lukashenko durante uma entrevista a jornalistas russos em Minsk.
8/8
Lukashenko chega à sua residência presidencial armado com fuzil.

A maioria das detenções deste domingo (11) foi feita em Minsk, na capital. Natalia Hanusevich, porta-voz do departamento de polícia do Comitê Executivo da cidade, disse à Sputnik que os policiais tiveram que usar canhões de água e granadas de choque contra participantes de um comício não autorizado na capital.

O fotojornalista da Sputnik Bielorrússia, Viktor Tolochko, foi detido duas vezes enquanto cobria um dos protestos em Minsk. A polícia afirma que as detenções não eram prisões reais, mas procedimentos de rotina para verificar documentos.

Oleg Lavrukhin, promotor da capital, disse que cerca de três mil pessoas foram presas ou multadas na capital bielorrussa desde o início dos protestos em massa, em agosto.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала