Rússia cria tecnologia para construir 'aeródromos de gelo' no Ártico

© Sputnik / Maxim Blinov / Abrir o banco de imagensDois técnicos abastecem o avião An-74 em uma ilha que é parte da Terra do Norte
Dois técnicos abastecem o avião An-74 em uma ilha que é parte da Terra do Norte - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Cientistas da Universidade Técnica Estatal Bauman de Moscou estão desenvolvendo uma tecnologia que muda a estrutura do gelo para construção de pistas de pouso e decolagem no Ártico.

De acordo com o vice-reitor da universidade, Yevgeny Storozhuk, cientistas estão estudando a possibilidade de aplicar a nova tecnologia para construção de "aeródromos de gelo" para os aviões de transporte militar Il-76.

Batizado como Ploschadka (Plataforma), o projeto foi desenvolvido para implementação nos territórios continentais da região ártica.

"Implica criar aeródromos de gelo que podem ser construídos rapidamente. Isso envolve a modificação da camada de gelo com a ajuda de alguns agentes químicos especiais que permitem que os veículos de transporte aéreo pousem sobre uma pista pronta para recebê-los", afirmou Storozhuk.

A resistência da pista de gelo e a presença de fendas em sua superfície serão comprovadas por alguns sensores de fibra óptica, colocados em sua espessura.

© Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia  / Abrir o banco de imagensAvião militar russo de transporte de carga Il-76 carregado com equipamentos médicos e suprimentos se prepara para decolar para a Itália
Rússia cria tecnologia para construir 'aeródromos de gelo' no Ártico - Sputnik Brasil
Avião militar russo de transporte de carga Il-76 carregado com equipamentos médicos e suprimentos se prepara para decolar para a Itália

Caso a temperatura suba e produza o descongelamento, os técnicos farão todo o possível para mantê-la congelada, adicionando mais agentes químicos. Acredita-se que os controladores aéreos destes aeródromos poderão operar à distância.

"Agora, as tecnologias estão sendo testadas para confirmar que nossas teorias estão corretas", enfatizou Storozhuk, ressaltando que esta fase deve durar pelo menos um ano, e que se a segurança for constatada, a tecnologia poderá ser utilizada no Ártico.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала