Bagdá quer minimizar dependência dos EUA na luta contra Daesh, dizem comandantes iraquianos

© AP Photo / Hubert Delany IIISoldados dos EUA se dirigem à avião para deslocamento no Iraque (foto de arquivo)
Soldados dos EUA se dirigem à avião para deslocamento no Iraque (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O governo iraquiano disse aos seus militares para não buscar assistência da coalizão liderada pelos EUA em operações contra o Daesh.

Afirmaram dois altos comandantes militares iraquianos em meio a uma crise de desconfiança entre EUA e Iraque após o assassinato do general iraniano Qassem Soleimani no país.

Este passo mostra claramente que, enquanto as exigências da liderança iraquiana de retirada das forças americanas do país acalmaram, o governo iraquiano está reconsiderando seriamente as relações estratégicas, e esta medida está afetando diretamente a cooperação militar entre os países.

O Exército iraquiano comunicou no dia 30 de janeiro que eles haviam retomado as operações conjuntas entre Bagdá e Washington após uma paragem de três semanas, no entanto, estas declarações foram posteriormente revogadas e o porta-voz da entidade militar iraquiana anulou as alegações anteriores em uma comunicação na televisão estatal, porém esta decisão não foi clarificada, escreve Military Times. 

O Parlamento iraquiano aprovou em 5 de janeiro por maioria de votos a retirada das tropas estrangeiras e defendeu o fim da cooperação com as forças da coalizão internacional contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países).

© REUTERS / Thaier al-SudaniManifestantes na capital iraquiana de Bagdá protestam contra a presença dos EUA no país
Bagdá quer minimizar dependência dos EUA na luta contra Daesh, dizem comandantes iraquianos - Sputnik Brasil
Manifestantes na capital iraquiana de Bagdá protestam contra a presença dos EUA no país

A saída dos militares americanos do Iraque se tornou tema de discussão no país logo após as tensões entre os EUA e Irã voltarem a subir com o assassinato do ex-chefe da Força Quds iraniana, o major-general Qassem Soleimani.

Em 3 de janeiro, os Estados Unidos realizaram um ataque de drone perto do Aeroporto Internacional de Bagdá, no Iraque, que matou Soleimani e o líder da milícia xiita iraquiana Abu Mahdi Muhandis, entre outros.

O governo Trump disse que agiu com base em informações sobre um "ataque iminente" contra pessoas e interesses dos EUA, mas não forneceu detalhes.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала