Catástrofe ambiental pode abrir tumba nuclear dos EUA

© AP Photo / Nicole EvattIlhas Marshall
Ilhas Marshall - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A mudança climática está abrindo a cúpula de uma tumba nuclear que Washington construiu há quatro décadas nas Ilhas Marshall para armazenar os resíduos radioativos dos testes atômicos da Guerra Fria.

De acordo com o Los Angeles Times, a cúpula de concreto está subindo e descendo, conforme a maré, contendo o equivalente a 35 piscinas olímpicas de terra e detritos radioativos, inclusive quantidades letais de plutônio, produzidos pelos norte-americanos.

Os EUA detonaram 67 bombas nucleares nas Ilhas Marshall entre 1946 e 1958, destruindo ilhas inteiras e escavando crateras em suas lagunas, fazendo com que centenas de pessoas abandonassem suas casas.

Além disso, diversos testes de armas biológicas foram realizados e foram despejadas 130 toneladas de terra irradiada de um teste realizado em Nevada.

© AFP 2022 / GIFF JOHNSONTumba nuclear dos EUA nas ilhas Marshall
Catástrofe ambiental pode abrir tumba nuclear dos EUA - Sputnik Brasil
Tumba nuclear dos EUA nas ilhas Marshall

A tumba de concreto corre o risco de se romper devido ao aumento da maré, causado pelo derretimento das geleiras e outros efeitos resultantes da mudança climática.

Funcionários locais solicitaram ajuda ao governo dos EUA, que se recusou a oferecer qualquer tipo de ajuda.

"Não a queremos, não a construímos. O lixo que há dentro não é nosso, é deles", expressou Hilda Heine, presidente das Ilhas Marshall.

"As Ilhas Marshall são vítimas das duas maiores ameaças enfrentadas pela humanidade: as armas nucleares e a mudança climática", afirmou Michael Gerrard, pesquisador da Universidade de Columbia, ressaltando que os EUA são o responsável direto dos testes nucleares, referindo que suas "emissões contribuíram mais à mudança climática que as de qualquer outro país".

Após os testes nucleares norte-americanos realizados nos anos de 1950, os casos de câncer, abortos espontâneos e deformações foram se multiplicando, em um país de 28.000 habitantes, especialmente nas crianças.

Em 1988 foi decretado que os EUA deveriam pagar US$ 2,3 bilhões (R$ 9,6 bilhões) ao país insular como indenização, porém Washington se negou a pagar.

Em setembro, as Ilhas Marshall aprovaram uma estratégia nuclear nacional que exige uma análise de risco, um estudo ambiental do território, bem como uma avaliação das opções legais para realizar a limpeza do local.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала