Merkel defende proteção aos judeus na Alemanha e ensino sobre os crimes nazistas

© AP Photo / Markus SchreiberAngela Merkel, chanceler da Alemanha
Angela Merkel, chanceler da Alemanha - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A chanceler alemã Angela Merkel manifestou-se contra o antissemitismo na Alemanha e disse que a polícia tem que vigiar todas as sinagogas, escolas e creches judaicas em seu país.

"Sempre tivemos um certo número de antissemitas entre nós", afirmou Merkel à Christiane Amanpour, da CNN, em entrevista divulgada na terça-feira. "Infelizmente, não existe até hoje uma única sinagoga, nem uma única creche para crianças judias, nem uma única escola para crianças judias que não precise ser guardada por policiais alemães".

O presidente dos EUA, Donald Trump, discursa durante visita às tropas norte-americanas no Iraque. - Sputnik Brasil
'Mal do antissemitismo deve ser derrotado', diz Trump após ataque contra sinagoga

Merkel enfatizou a necessidade de aprender com o passado conturbado de seu país.

"Temos que dizer aos nossos jovens o que a história nos trouxe e a outros e a esses horrores, por que somos pela democracia […] por que enfrentamos a intolerância", acrescentou.

O antissemitismo está certamente em ascensão na Alemanha. O ano de 2018 viu um aumento de quase 20% nos crimes de ódio contra os judeus e um quase dobrar dos ataques físicos em comparação com 2017, segundo dados do Ministério do Interior.

Enquanto isso, o comissário do antissemitismo do governo alemão Felix Klein disse à imprensa local no fim de semana que "não pode recomendar judeus para usar kippahs em qualquer lugar e a qualquer momento na Alemanha", recebendo uma repreensão do presidente israelense Reuven Rivlin por "capitulação a antissemitismo".

Amanpour questionou Merkel sobre o antissemitismo no contexto do aumento do apoio popular a partidos nacionalistas como o Alternativa para a Alemanha (AfD). A AfD terminou em terceiro lugar atrás da coalizão centrista de Merkel e do Partido Verde nas eleições do Parlamento Europeu no último final de semana.

Depois de vários anos passando perto de entrar no Parlamento da Alemanha, a AfD finalmente conquistou 94 assentos no Bundestag em 2017, provocando uma onda de revolta popular contra a decisão de Merkel de 2015 de permitir a entrada de mais de um milhão de migrantes na Alemanha. O partido foi acusado de abrigar racistas e antissemitas, mas alguns acusam os recém-chegados à Alemanha de trazer ódio religioso.

Do imigrante sírio que espancou um judeu com cinturão em Berlim enquanto gritava "judeu" em árabe, ao grupo de suspeitos migrantes que jogaram um fogo de artifício em um jornalista israelense, para a turba que deixou um menino sírio-judeu com uma cabeça ferida após uma surra selvagem, uma série de ataques começou a construir uma imagem.

Em um artigo intitulado "O novo antissemitismo alemão" na semana passada, o jornal The New York Times descreve uma Alemanha na qual pais judeus incentivam seus filhos a manter sua etnia para si mesmos na escola, para evitar o bullying de "estudantes muçulmanos […] que use a palavra judeu como um insulto".

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel - Sputnik Brasil
EUA vão gostar? Merkel defende que Europa se junte à nova Rota da Seda da China

Em sua entrevista à CNN, Merkel sugeriu que o antissemitismo na Alemanha permanece conectado ao passado nazista do país. O ministro do Interior, Horst Seehofer, também atribui a maior parte dos ataques do ano passado aos extremistas de direita.

O antissemitismo na Europa tem sido tradicionalmente reservado ao lado marginal. No entanto, os líderes da comunidade judaica alemã alertaram cada vez mais que os migrantes do Oriente Médio são uma nova fonte de ódio. Em novembro passado, um grupo desses líderes solicitou que os migrantes fossem obrigados a participar de aulas de integração para combater a prevalência de atitudes antissemitas.

Com o antissemitismo vindo de fontes novas e tradicionais, os judeus estão cada vez mais se sentindo pressionados a deixar a Alemanha. Uma pesquisa realizada pela União Europeia (UE) no ano passado mostrou que, em 13 países pesquisados, os judeus na Alemanha, França e Bélgica estavam mais propensos a pensar em emigrar para Israel.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала