Chanceler russo: tentativas de derrubar governo da Venezuela podem provocar catástrofe

© AFP 2022 / Matias DelacroixConfrontos entre oposição e Guarda Nacional perto da base aérea La Carlota, em Caracas
Confrontos entre oposição e Guarda Nacional perto da base aérea La Carlota, em Caracas - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
No decurso do encontro com seu homólogo venezuelano, Jorge Arreaza, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, comentou as recentes tentativas de derrubar o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, realizadas pela oposição.

Sergei Lavrov apelou aos EUA para abandonarem suas ações provocatórias em relação à Venezuela e atuarem conforme o direito internacional.

Manifestantes em Madri segurando cartaz em apoio ao presidente legitimo da Venezuela, Nicolás Maduro - Sputnik Brasil
Senador russo: intervenção militar dos EUA na Venezuela será considerada 'agressão'
"Apelamos aos norte-americanos e a todos aqueles que os apoiam a abandonarem os seus planos irresponsáveis e a atuarem exclusivamente no quadro do direito internacional, segundo disse há poucos dias o presidente [da Rússia, Vladimir] Putin durante sua conversa telefônica com o presidente [dos EUA, Donald] Trump", indicou.

Ademais, o chanceler russo afirmou que as tentativas de derrubar o governo bolivariano pela força dificultam a resolução da crise no país latino-americano e podem mesmo causar uma catástrofe.

"As tentativas de mudar o governo em Caracas, obviamente, não têm nada em comum com um processo democrático, mas apenas minam as perspectivas de uma resolução política para a crise, e a continuação desse rumo pode provocar consequências muito graves", declarou ele na véspera das negociações com o chanceler venezuelano.

Entretanto, o ministro russo sublinhou que Moscou nunca interferiu nos assuntos internos de Estados soberanos.

"Nunca interferimos nos assuntos internos de outros países e pedimos insistentemente a todos os outros façam o mesmo."

Ao mesmo tempo, o diplomata russo anunciou que as duas partes estão dispostas a fortalecer a cooperação estratégica bilateral.

Juan Guaidó, líder da oposição venezuelana e autoproclamado presidente interino, durante discurso em Caracas, Venezuela, em 19 de abril de 2019 - Sputnik Brasil
Guaidó reconhece fracasso na tentativa de golpe contra Maduro
A crise na Venezuela se agravou em 30 de abril, quando o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino do país, lançou a chamada Operação Liberdade para retirar Nicolás Maduro do poder. Em um vídeo publicado no Twitter, Guaidó aparece ao lado de militares e do líder oposicionista Leopoldo López, que estava preso desde 2014 e foi libertado pelos rebeldes, na base aérea de La Carlota, em Caracas. Guaidó apelou a uma "luta não violenta", disse ter os militares do seu lado e afirmou que "o momento é agora".

Segundo o ministro venezuelano da Defesa, Vladimir Padrino López, as Forças Armadas da Venezuela continuam completamente fiéis às autoridades legítimas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала