Juan Guaidó chama Força Armada Nacional para 'fim da usurpação' de Maduro

© Sputnik / Marco Bello / Abrir o banco de imagensJuan Guaidó
Juan Guaidó - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Nesta terça-feira (30), o líder da oposição venezuelana publicou no Twitter um vídeo, convocando soldados da Venezuela, bem como cidadãos, para sair às ruas de Caracas a fim de assegurar a "cessão definitiva da usurpação" do presidente do país, Nicolás Maduro.

Guaidó, falando no vídeo em meio a pessoas usando uniforme militar, frisou que a Venezuela vai lutar "em uma luta não violenta" para "assumir competências do governo".

"O povo venezuelano iniciou o fim da usurpação. Neste momento me encontro com as principais unidades militares da nossa Força Armada, dando início à fase final da Operação Liberdade", escreveu Guaidó em outro tweet

Nicolás Maduro anuncia congelamento de contas de várias empresas do Panamá - Sputnik Brasil
Venezuela está livre do 'Ministério das Colônias dos EUA', diz Maduro sobre saída da OEA
O líder da oposição assegurou que já conta com apoio da Força Armada Nacional, dizendo que militares tomaram a "decisão correta". 

"A Força Armada Nacional tomou a decisão correta, contam com o apoio do povo da Venezuela, com o aval da nossa constituição, com a garantia de estar do lado correto da história", escreveu

Posteriormente, surgiram infromações de que na estrada perto da base aérea de Caracas em que Guaidó apareceu com soldados, foi utilizado gás lacrimogênio. Veículos blindados da Guarda Nacional bolivariana foram filmados nas ruas de Caracas.

​Na última vez em que Guaidó solicitou que pessoas se juntassem à chamada Operação de Liberdade, em conexão com massivo apagão no país, ele afirmou ter reunido "milhares" de manifestantes na Venezuela. Porém, as rodadas de protestos convocadas pelo autoproclamado presidente interino da Venezuela têm recolhido cada vez menos participantes.

A Venezuela tem enfrentado uma forte crise política, com o líder da oposição, Juan Guaidó, proclamando-se presidente interino do país em 23 de janeiro. A medida foi reconhecida pelo Brasil, Estados Unidos e por mais de 50 outras nações, enquanto Maduro a descreveu como uma tentativa de golpe arquitetada pelos Estados Unidos.

A China, Rússia, Bolívia, Turquia e numerosas outras nações reconhecem Maduro como o único presidente legítimo da Venezuela.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала