Inteligência russa: há sinais de preparação de operação militar dos EUA contra Venezuela

© Sputnik / Leo Alvarez / Abrir o banco de imagensManifestação em apoio do autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, em Caracas
Manifestação em apoio do autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, em Caracas - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Segundo o diretor do Serviço Exterior de Inteligência da Rússia (SVR), Sergei Naryshkin, a Rússia vê sinais de preparação de uma operação militar dos EUA contra a Venezuela, mas só o tempo dirá se tal plano será ou não realizado.

"Tais sinais existem, mas o tempo dirá se esse plano será realizado", disse Naryshkin, sublinhando que a situação no país é muito tensa.

Segundo o diretor do SVR, as ações do Ocidente na Venezuela são cínicas e provocam uma catástrofe humanitária nas proximidades dos próprios Estados Unidos.

"A Casa Branca declara reiteradamente que existe uma ameaça de imigração não controlada, planeja gastar bilhões para reforçar a fronteira com o México, mas, ao mesmo tempo, desencadeia um novo conflito civil, provocando uma catástrofe humanitária, desta vez praticamente às portas de seu território", explicou Naryshkin.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, sorri durante reunião com membros do governo no Palácio de Miraflores, em Caracas, Venezuela, em 23 de abril de 2019 - Sputnik Brasil
Maduro sobre 90 dias de Guaidó: 'Temos controle do Governo e condução da Força Armada'
A tensão política na Venezuela aumentou desde que, em 23 de janeiro, o líder da oposição Juan Guaidó se declarou presidente interino do país.

Por sua vez, Maduro acusou Washington de organizar uma tentativa de golpe e anunciou o rompimento das relações diplomáticas com os EUA.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que todas as opções para o que ele descreveu como "restauração da democracia" na Venezuela continuam na mesa, incluindo a intervenção militar.

Os EUA e vários países da Europa e América Latina, inclusive o Brasil, reconheceram Guaidó como presidente interino do país.

Rússia, China, Cuba, Bolívia, Nicarágua, Turquia, México, Irã e muitos outros países manifestaram seu apoio a Maduro como presidente legítimo e exigiram que os outros países respeitem o princípio de não interferência nos assuntos internos venezuelanos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала