- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Moscou: nervosismo dos EUA em relação à Venezuela se deve à falha na mudança do poder

© REUTERS / Ueslei MarcelinoApoiadores pró-governo segurando a bandeira da Venezuela em protesto contra o presidente dos EUA, Donald Trump, em Caracas, 14 de agosto de 2017
Apoiadores pró-governo segurando a bandeira da Venezuela em protesto contra o presidente dos EUA, Donald Trump, em Caracas, 14 de agosto de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, comentou neste sábado (30) as ameaças dos EUA de impor sanções contra a Rússia pela sua cooperação com a Venezuela.

"As tentativas de intimidar o lado russo com sanções pela legítima cooperação com a Venezuela são ridículas. Com diferentes pretextos, Washington as introduziu por tantas vezes que Moscou já perdeu a conta e deixou de prestar atenção a elas", lê-se no comentário de Zakharova no site da chancelaria russa.

Ela acrescentou que Moscou percebe o porquê do "nervosismo americano". 

Il-62 russo que chegou à Venezuela com militares e equipamento - Sputnik Brasil
'Ninguém deve se preocupar': Venezuela responde aos EUA sobre presença de militares russos
"A planejada mudança rápida de poder em Caracas falhou. Com seu excesso de confiança Washington acabou por 'encrencar' aqueles que na América Latina e na Europa Ocidental, logo a seguir a ele, se apressaram a reconhecer como líder da Venezuela um impostor que não foi eleito pelo povo. Desse jeito, eles privaram a si mesmos de espaço de manobra diplomático", indicou Zakharova.

A representante oficial comentou também a presença dos militares russos no país sul-americano. Segundo ela, a Rússia expressou de forma clara o objetivo da visita à Venezuela dos especialistas militares.

"Não se trata de nenhuns 'contingentes militares'. Portanto, as suposições em relação à realização de quaisquer 'operações militares' da Rússia na Venezuela são completamente infundadas", declarou Zakharova.

Um ativista de esquerda turco segura uma bandeira nacional venezuelana e um cartaz que se traduz como O imperialismo perderá, o povo resistente vencerá - Sputnik Brasil
Turquia comenta declarações americanas sobre cooperação com Venezuela
A diplomata acrescentou que "Washington julga por eles mesmos, tentando atribuir a Moscou os planos que eles próprios elaboram em relação a este país".

"Mais uma vez é afirmando altivamente que eles têm 'todas as opções na mesa'. Nessa conexão, seria bom saber, por exemplo, o que fazem os numerosos soldados americanos na Colômbia, país vizinho da Venezuela? E por que, de repente, a Casa Branca começou a convidar outro seu vizinho, Brasil, para a OTAN, violando o estatuto e até a denominação do bloco do Atlântico Norte?", acrescentou.

Em 21 de janeiro, na Venezuela começaram protestos em massa contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, logo depois de ele assumir o segundo mandato presidencial. Em 23 de janeiro o líder da oposição do país, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente interino do país, tendo sido apoiado pelo Brasil, EUA e vários outros países. Maduro recebeu o apoio de tais países como a Rússia, México, China, Turquia, Indonésia e outros.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала