Diplomata sírio sugere que os EUA deem estados a Israel ao invés de apoio sobre Golã

© REUTERS / Denis BalibouseEmbaixador da Síria na ONU, Bashar Jaafari
Embaixador da Síria na ONU, Bashar Jaafari - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O embaixador da Síria na ONU, Bashar Jaafari, sugeriu aos EUA que deem "um par" de seus próprios estados para Israel, em vez de desrespeitar a lei internacional e vender a terra de outros por favores com o lobby israelense, como aconteceu com as Colinas de Golã.

Jaafari ofereceu uma severa repreensão à reivindicação israelense, apoiada pelos Estados Unidos, às colinas ocupadas na reunião do Conselho de Segurança da ONU na quarta-feira. Jaafari disse que o governo Trump faz o pedido do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para que a ONU agrade o poderoso lobby israelense nos EUA.

Tanque israelense Merkava Mark 4 durante exercícios na parte das Colinas de Golã ocupada por Israel, na fronteira com a Síria (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Mais um passo imprudente: o que significa decisão de Trump sobre Colinas de Golã?

Em uma observação que provocou uma risada e um tremor de cabeça do seu homólogo israelense, Jaafari sugeriu que Washington entregue a terra que é realmente sua para Tel Aviv.

"Você pode dar-lhes Carolina do Norte e do Sul, por exemplo, por que não? A Carolina do Sul é um grande pedaço de terra […] Então, dê a Israel alguns estados se este governo realmente quiser ter apoio israelense", provocou o diplomata sírio.

A decisão de Trump de apoiar a reivindicação israelense às Colinas de Golã está à frente das eleições gerais de Israel em 6 de abril e tem sido amplamente considerada como um impulso eleitoral para Netanyahu, que enfrenta acusações de fraude, suborno e quebra de confiança em casa.

"Não seja equivocado ao pensar que um dia esta terra será sua devido à hipocrisia ou a ser um peão no jogo eleitoral em que vocês trarão apoio uns aos outros, para que os israelenses possam ter sucesso em suas eleições e os americanos também possam obter apoio de grupos de lobby israelenses nos EUA", acrescentou Jaafari.

As Colinas de Golã, confiscadas por Israel durante a Guerra dos Seis Dias em 1967 e formalmente anexadas em 1981, vão "voltar" para a Síria, assegurou o diplomata sírio.

A reunião do Conselho de Segurança foi convocada a pedido da Síria. Damasco insiste que o reconhecimento das Colinas de Golã, ocupadas por Israel, é contrário às resoluções da ONU que expressamente declaram a anexação como "nula e sem efeito".

Militares iranianos (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Será possível guerra pelas Colinas de Golã com participação do Irã?

Os adversários e aliados de Washington se alinharam para condenar a violação do direito internacional. A Liga Árabe, Turquia, Irã e Rússia se manifestaram contra o reconhecimento. O presidente da Câmara Baixa do Parlamento russo (Duma), Vyacheslav Volodin, declarou que se tratava de uma "estrada para a guerra". Em uma reunião do conselho na quarta-feira, o vice-enviado russo Vladimir Safronkov disse que, ao se aliar a Israel, Washington dificulta os esforços para melhorar a segurança nas Colinas de Golã e aliviar as tensões entre o mundo árabe e o próprio Estado judeu.

"Isso não apenas agrava a situação na Síria e dificulta o estabelecimento de processos políticos, mas também cria sérios obstáculos à normalização das relações entre Israel e os Estados Árabes", ponderou, acrescentando que os EUA seguiram em frente com sua decisão olho para "a opinião e as advertências a nível internacional e regional".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала