Trump assina decreto reconhecendo a soberania de Israel sobre Colinas de Golã

© AFP 2022 / Jalaa MareyBandeira israelense no Monte Bental, nas Colinas de Golã, que são controladas por Israel (foto de arquivo)
Bandeira israelense no Monte Bental, nas Colinas de Golã, que são controladas por Israel (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A assinatura de decreto reconhecendo a soberania israelense sobre Golã já tinha sido adiantada ontem pelo ministro das Relações Exteriores de Israel, Yisrael Katz.

O presidente dos EUA, Donald Trump, assinou um decreto nesta segunda-feira reconhecendo a soberania de Israel sobre as disputadas Colinas de Golã.

A cerimônia de assinatura aconteceu depois que Trump concedeu discurso conjunto com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na Casa Branca.

No mesmo dia, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse ao secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que o plano dos EUA de reconhecer a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã levaria a uma violação grosseira do direito internacional. 

"Também foi enfatizado que (…) impediria a solução da crise síria e agravaria a situação no Oriente Médio", disse o comunicado.

Escultura de militar israelense perto de uma seta indicando as distâncias de Bagdá e Damasco perto de um posto militar nas Colinas de Golã - Sputnik Brasil
Trump quer 'demolir' a lei internacional ao reconhecer ocupação de Israel em Golã, diz HRW
A decisão de Washington foi tomada apesar do anúncio na semana passada do secretário-geral da Liga Árabe, Aboul Gheit, de que o bloco apoiava totalmente a soberania síria sobre o território.

Trump informou em comunicado que "chegou a hora de os Estados Unidos reconhecerem plenamente a soberania de Israel sobre as Colinas de Golãs", derrubando mais de 50 anos de política dos EUA em relação à região. Anteriormente, os EUA apoiavam a Resolução 497 do Conselho de Segurança da ONU que determinava unanimemente a soberania da Síria sob a região. As declarações de Trump foram condenadas por vários países, incluindo Irã, Turquia, Síria e Rússia.

Antes da declaração do presidente dos Estados Unidos, o senador americano Lindsey Graham disse ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que pressionaria os Estados Unidos a reconhecer formalmente a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, que foram tomadas da Síria durante a Guerra dos Seis Dias de 1967.

As Colinas de Golã, consideradas por grande parte da comunidade internacional como parte do território sírio, foram ocupadas por Israel durante a Guerra dos Seis Dias de 1967. Em 1981, Tel-Aviv aprovou a legislação formalmente anexando a área. As Nações Unidas não reconheceram o movimento e, em 2018, a Assembleia Geral da ONU adotou resolução instando Israel a retirar imediatamente suas forças do local.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала