Itália pode usar Rota da Seda chinesa para amenizar sanções à Rússia, diz ex-chanceler

© AP Photo / Andy WongWorkers install wires on a 'Golden Bridge of Silk Road' structure on a platform outside the National Convention Center, the venue which will hold the Belt and Road Forum for International Cooperation, in Beijing
Workers install wires on a 'Golden Bridge of Silk Road' structure on a platform outside the National Convention Center, the venue which will hold the Belt and Road Forum for International Cooperation, in Beijing - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O desejo da Itália de construir laços comerciais com a China não é um movimento contra os EUA, mas um esforço para "maximizar" seus próprios interesses, disse o ex-ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, antes da visita do presidente chinês Xi Jinping.

A Itália deve assinar um memorando não vinculativo de apoio à rede de comércio e infraestrutura global da China, apelidada de Nova Rota da Seda, durante a visita de Xi, e sinalizou sua intenção de desempenhar um papel importante no grande plano, apesar das advertências de Washington sobre o projeto.

A bandeira da China - Sputnik Brasil
EUA tentam demover a Itália de se unir à Nova Rota da Seda da China

A mudança fará da Itália o primeiro país do G7 a apoiar a iniciativa, que visa ligar a China por mar e terra ao Oriente Médio, Europa e África. Roma espera que seu envolvimento possa ajudar a revitalizar a economia italiana, proporcionando maior acesso ao mercado chinês.

Frattini declarou à RT que o projeto é de "significância muito alta" para a Itália e pode ser "uma ponte real" ligando a Ásia e a Europa. Reconhecendo a advertência dos EUA à Itália para ficar longe do que chamou de "projeto de vaidade" da China, Frattini disse que o envolvimento da Itália "não é uma mensagem contra os Estados Unidos, mas uma mensagem para maximizar os interesses europeus".

As ameaças dos EUA não foram surpreendentes, disse Frattini, já que "não é um segredo" que o governo Trump considera a China seu maior concorrente. Ele também disse que é provável que outros países da UE desejem se envolver no projeto chinês, porque atualmente as nações européias buscam políticas mais independentes e estão "menos disponíveis para seguir os desejos de seus aliados americanos".

No entanto, Frattini garantiu a Washington que a Itália permanecerá "aliada fiel" aos EUA e que "nunca" colocará sua infraestrutura crítica "nas mãos de um estado estrangeiro".

Frattini destacou que espera que a crescente independência de Washington, vista em algumas políticas europeias, possa se estender à questão das sanções à Rússia, dizendo que é do interesse da Europa "elevar progressivamente" as sanções que foram impostas "por causa das demandas e pedidos" da administração Obama.

Houve, no entanto, uma "discussão pesada" dentro do governo italiano com relação ao projeto da Rota da Seda e o relacionamento da Itália com a China, informou o editor-chefe do site Pandoratv.it, Giulietto Chiesa.

China espera que a Nova Rota da Seda derrube barreiras comerciais e de investimento - Sputnik Brasil
Itália se une à nova Rota da Seda da China e causa desconforto aos EUA

Há uma "grande divisão dentro da elite italiana", com os políticos e comentaristas mais pró-americanos mais cautelosos com essa cooperação e as possíveis reações dos EUA, disse ele. Chiesa acredita que haverá um "aprofundamento" das diferenças entre a Europa e os EUA, que está "tentando impor suas próprias idéias sobre o comércio internacional" e nem todos na Europa concordam.

Esse pensamento foi repetido pela jornalista italiana Alessandra Bocchi, que afirmou que a decisão da Itália de ignorar os alertas dos EUA mostrou uma "mudança na política externa da Itália" e demonstrou que Washington "não tem mais o mesmo poder que antes na Europa".

Bocchi disse que a iniciativa italiana poderia "provocar um efeito dominó" em termos de mais países europeus que querem desenvolver laços com a China, acrescentando que os EUA estão tentando pressionar a Europa a escolher entre eles e a China, rivais no meio de uma guerra comercial, a Europa é parte desse "campo de batalha".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала