Reino Unido revoga cidadania de mais duas 'esposas do Daesh'

CC0 / / Mulher usando hijab
Mulher usando hijab - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Mais duas mulheres britânicas - as irmãs Reema e Zara Iqbal - tiveram seus passaportes revogados após se casarem com jihadistas ligados ao assassinato de reféns ocidentais, informou o The Sunday Times. De acordo com a emissora, as jovens estão em campos separados na Síria, para onde fugiram depois que o grupo começou a ser derrotado.

As irmãs Iqbal, cujos pais são paquistaneses, deixaram Londres para a Síria em 2013, após se casarem com suspeitos de jihadistas que estavam ligados ao assassinato de reféns ocidentais mortos a tiros diante das câmeras. As mulheres têm cinco filhos com idade até 8 anos. A mais nova deu à luz dois filhos na Síria, para onde viajou grávida de seu segundo filho, enquanto a irmã mais velha deu à luz aos filhos no Reino Unido e na Síria.

Irmã da adolescente britânica Shamima Begum, segura uma foto de sua irmã apelando para ela voltar para casa, em Scotland Yard, Londres - Sputnik Brasil
Fugitivas de campos terroristas: bomba-relógio para a segurança europeia?
De acordo com a BBC, o Ministério do Interior recusou-se a comentar casos individuais, acrescentando que as decisões de revogar as cidadanias das chamadas "esposas do Daesh" eram “baseadas em evidências”.

A notícia vem logo após a mais recente revelação envolvendo Shamima Begum, de 19 anos. A jovem fugiu de Londres quando tinha 15 anos e pediu ao secretário do Interior, Sajid Javid para retornar ao país. Begum estava vivendo em um campo de refugiados cuidando do terceiro bebê, após a morte dos dois anteriores. Ela teve a cidadania revogada e sua situação voltou a aparecer nas manchetes do país após a notícia de que o bebê teria morrido.

A secretária britânica Diane Abbott criticou Sajid Javid por se comportar "vergonhosamente", acusando-o de ser responsável pela morte do menino.

O ministro não comentou o caso desde a morte do menino, mas teria dito anteriormente que sentia "nada além de simpatia" por crianças "perfeitamente inocentes" nascidas na zona de guerra. O Ministério do Interior aceitava receber a criança, mas Begum não queria ser separada do filho, acometido por uma forte pneumonia três semanas após o nascimento.

O marido de Begum, um soldado holandês do Daesh chamado Yago Riedijk, está atualmente em uma prisão na Síria.


* Daesh, também conhecido como Estado Islâmico, é um grupo terrorista banido na Rússia e em muitos outros países.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала