Enviado venezuelano na ONU acusa EUA de usar fake news para justificar ataques

© AP Photo / Fernando VergaraPessoas acompanham ajuda humanitária dos EUA destinada à Venezuela, em Cucuta, Colômbia, 23 de fevereiro de 2019
Pessoas acompanham ajuda humanitária dos EUA destinada à Venezuela, em Cucuta, Colômbia, 23 de fevereiro de 2019 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Nesta quarta-feira (6), o representante permanente da Venezuela na ONU, Samuel Moncada, acusou os EUA de estarem prontos a repetir qualquer tipo de mentira para justificar seus ataques contra Caracas.

"O desespero de atacar a Venezuela faz com que funcionários do [presidente dos EUA, Donald] Trump, seus órgãos propagandísticos e seus fantoches venezuelanos repitam qualquer mentira que encontrem pelo caminho. As fakes news são uma arma de destruição, mesmo na sua versão ridícula. Aqui está um exemplo", publicou Moncada no Twitter.

​O embaixador venezuelano na ONU anexou o link da reportagem da Sputnik Mundo sobre a conversa do representante especial dos EUA para a Venezuela, Elliott Abrams, com dois humoristas russos.

O comentário dele veio logo após a notícia na mídia sobre a pegadinha de dois humoristas russos, que se fizeram passar pelo presidente suíço Ueli Maurer, durante uma conversa telefônica com Abrams.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil
Bens de Maduro na Suíça? Humoristas russos descobrem quem está por trás dessa informação
O enviado especial pediu ao "suposto líder suíço" que bloqueasse os ativos do governo venezuelano em um banco da Suíça, que foi aleatoriamente citado pelos piadistas no meio da conversa.

A crise política da Venezuela se agravou ainda mais no dia 23 de janeiro, depois que o líder da oposição Juan Guaidó se autodeclarou presidente interino e foi apoiado pelos EUA, Colômbia e Brasil, e vários outros países.

Maduro classificou Guaidó de fantoche norte-americano e acusou os americanos de planejarem uma invasão. Já o assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, disse recentemente que Washington formaria uma coalizão para substituir o líder reeleito da Venezuela, que é apoiado pela Rússia, China, Cuba e outras nações.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала