- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Lula pede permissão para deixar a prisão após morte do neto em São Paulo

© AP Photo / Eraldo PeresLuiz Inácio Lula da Silva
Luiz Inácio Lula da Silva - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu à Justiça para que ele deixe a prisão e possa comparecer ao funeral de seu neto de sete anos, que morreu no ABC paulista nesta sexta-feira.

Segundo a presidente do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann, o neto de Lula, Arthur Lula da Silva Araújo, morreu por causa de meningite no hospital Rede D'Or São Luiz em Santo André, na Grande São Paulo. Arthur é filho de Sando Luís Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente.

"Faremos todo o possível para que você possa ver", escreveu Hoffmann no Twitter.

O porta-voz de Lula, José Chrispiniano, informou à Agência Associated Press que não sabe onde ou quando o funeral de Arthur será realizado.

Não se sabe se o pedido de Lula será aceito, embora a maioria dos internos tenha permissão de acordo com as leis brasileiras.

No entanto, em 29 de janeiro, Lula não recebeu permissão para assistir ao funeral de seu irmão Genival Inácio da Silva, em São Bernardo do Campo, também na região metropolitana de São Paulo.

Ministro da Justiça, Eugênio Aragão - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Caso Lula: 'Judiciário está sob suspeita por sofrer chantagem', diz ex-ministro da Justiça

Naquela ocasião, a juíza Carolina Lebbos decidiu perguntar à Polícia Federal (PF) e ao Ministério Público Federal (MPF) em Curitiba se Lula deveria poder viajar.

A PF disse na época que havia preocupações com a segurança se o ex-presidente deixasse a cidade de Curitiba para assistir às cerimônias em São Paulo, a 400 km de distância. Lebbos concordou.

O chefe da PF é o ex-juiz Sergio Moro, que sentenciou Lula à prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Moro é atualmente o ministro da Justiça do Brasil sob o governo do ex-capitão do Exército, Jair Bolsonaro.

Horas antes da decisão de Lebbos, defensores do ex-presidente apelaram para um juiz de escalão superior que também condenou Lula à prisão. O juiz Leandro Paulsen ratificou a sentença e proibiu Lula de sair.

Os advogados de Lula apelaram para a Suprema Corte do Brasil. O juiz responsável, ministro Dias Toffoli, emitiu outra decisão e permitiu que o ex-presidente se reunisse com seus parentes, mas Lula disse preferir não comparecer.

O petista de 73 anos diz que ele é politicamente perseguido. Ele está preso desde o dia 7 de abril.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала