EUA armam 'exército de libertação' na Colômbia para invadir Venezuela, diz enviado na ONU

Nos siga noTelegram
Os EUA estão armando desertores venezuelanos para formar o chamado "exército de libertação", e assim invadir o país bolivariano, afirmou a repórteres o embaixador venezuelano na ONU, Samuel Moncada.

"Do território colombiano […] eles estão armando o chamado exército de libertação venezuelano para penetrar no território venezuelano com supostos desertores", disse Moncada na quinta-feira (28).

Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino da Venezuela, acena durante visita a Brasília, onde se reuniu com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro. - Sputnik Brasil
Retomada de comércio entre Brasil e Venezuela depende de Caracas, diz economista
Além disso, o embaixador acrescentou que Washington está exagerando ao alegar que há milhares de desertores venezuelanos, apenas pelo fato de que eles estão fabricando seu próprio exército, semelhante aos grupos insurgentes de oposição "Contras", apoiados pelos EUA, que lutaram contra o governo sandinista após a revolução da Nicarágua na década 80.

Para Moncada, todos esses esforços fazem parte dos planos americanos para uma operação clandestina contra Caracas.

Já em relação à posição de Trump quando este disse que "todas as opções estão sobre a mesa", tal é visto como uma ameaça de uso de força militar para derrubar o governo do presidente reeleito Nicolás Maduro, segundo o enviado.

Conselho de Segurança da ONU - Sputnik Brasil
Conselho de Segurança não deve aprovar resoluções de EUA e Rússia sobre a Venezuela
Há pouco, o Conselho de Segurança da ONU realizou uma votação sobre propostas de resolução do conflito venezuelano, apresentadas pelos EUA e pela Rússia, mas nenhuma das propostas foi aprovada.

A tensão e a crise se acentuaram na Venezuela após a autoproclamação de Juan Guaidó como presidente interino, no dia 23 de janeiro. Tal ação foi qualificada por Maduro como tentativa de golpe de Estado orquestrada por Washington.

Os EUA e aproximadamente 50 países reconheceram Guaidó como presidente, enquanto a Rússia, China, Cuba, Bolívia e vários outros países já manifestaram seu apoio ao governo legítimo de Maduro.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала