Alienígenas existem, mas 'não querem entrar em contato'?

© Depositphotos / Elen7475Extraterrestres com OVNI em plano de fundo (imagem referencial)
Extraterrestres com OVNI em plano de fundo (imagem referencial) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Dmitry Bisikalo, diretor do Instituto de Astronomia da Academia de Ciências da Rússia disse que admite a existência de muitas civilizações extraterrestres fora do Sistema Solar, observando que os alienígenas simplesmente "não querem entrar em contato".

"Eu admito a existência de civilizações inteligentes extraterrestres. Afinal, se a nossa civilização existe, por analogia pode haver outras, e, provavelmente, muitas delas", comentou Bisikalo.

Planeta Marte - Sputnik Brasil
Cientistas encontram em Marte novo e inesperado lugar que pode abrigar vida
Segundo ele, o astrônomo e astrofísico norte-americano, Frank Drake, em 1960, desenvolveu uma fórmula permitindo calcular o número de civilizações extraterrestres com as quais poderíamos entrar em contato. 

"De acordo com esta fórmula, há inúmeras delas", destacou.  

Bisikalo observou que a humanidade ainda não encontrou evidências de existência extraterreste, porque os alienígenas "não querem entrar em contato". A segunda razão é por causa de um possível curto período de vida da civilização.

"Por exemplo, até o começo do século XX, nossa civilização não irradiava nada. Agora, a Terra está repleta de sinais eletrônicos em diferentes intervalos, mas a tendência geral é reduzir as perdas e, consequentemente, diminuir o nível do sinal", disse. 

O diretor do instituto acrescentou que o raciocínio sobre a existência de outras civilizações se transformou em um plano experimental prático depois da descoberta dos exoplanetas. Ele salientou que agora uma das tarefas principais é identificar e procurar possíveis biomarcadores no espaço – evidências da existência da vida. Esses marcadores biológicos são oxigênio, ozônio, metano, mas sua presença no exoplaneta não garante a existência de vida, indicou. 

"É importante notar que muitos biomarcadores aparecem na região ultravioleta do espectro, os quais serão estudados pelo observatório espacial Spektr-UF, que será lançado em órbita em 2024. Provavelmente, com sua ajuda veremos algo realmente interessante", concluiu Bisikalo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала