- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Empresa da Noruega recebe o primeiro avião E190-E2 da Embraer

Nos siga noTelegram
A empresa brasileira Embraer fez nesta quarta-feira a entrega do seu primeiro jato E190-E2 à companhia aérea Widerøe, da Noruega. Uma cerimônia foi realizada em São José dos Campos (SP), cidade onde fica a sede da empresa.

Maior companhia aérea norueguesa, Widerøe possui uma frota apenas de aviões turbo-hélices – entre 1992 e 1998, ela teve três modelos EMB-120 Brasília – e o E190-E2 será o seu primeiro avião com motor a jato. A estréia acontecerá no dia 24, em vôo entre Bergen e Tromsø.

A Embraer ainda deve entregar outros dois jatos do mesmo modelo à companhia norueguesa, ao preço de US$ 55,8 milhões para cada um. A Widerøe ainda tem o direito de compra para outras 12 aeronaves da família E2.

"A entrega desta aeronave representa uma nova era à Embraer, nos deixa entrar em novos mercados. É realmente um momento importante para a empresa. Somos líderes nesse mercado [aviação regional] e o modelo chega forte, com eficiência e maturidade. Vai ser um grande sucesso", afirmou o presidente da Embraer, Paulo de Souza e Silva, citado pelo G1.

Jato comercial E190 da Embraer - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Fusão da Embraer e Boeing é criticada em audiência no Senado

Certificado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) desde fevereiro, o E190-E2 vem sendo testado desde 2016 e pode comportar até 146 lugares – a Widerøe irá operar com 114 assentos. A Embraer lidera o segmento de até 130 lugares, e já negociou 280 jatos do modelo.

Em comunicado em seu site oficial, a Widerøe destacou ter sido uma das primeiras empresas do mundo a adquirir o E190-E2, elogiou o design do jato e afirmou que a aquisição tornará a companhia norueguesa "uma das mais verdes do mundo", referindo-se às baixas emissões de carbono.

Boeing

Sobre a fusão com a empresa estadunidense Boeing, o presidente da Embraer considerou que seria "uma operação boa" a fusão, mas que ela "não é essencial" para a empresa brasileira. Ele ainda comentou que as negociações continuam, porém a operação é complexa e não há previsão de qual estará concluída.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала