China vai destronar os EUA como a maior nação de energia nuclear, diz agência

© REUTERS / Bobby Yip Construção de uma usina nuclear na província Guangdong, na China
Construção de uma usina nuclear na província Guangdong, na China - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A China prevê triplicar sua capacidade nuclear nos próximos 20 anos, desbancando os Estados Unidos como a maior produtora de energia nuclear do mundo, de acordo com a Agência Internacional de Energia (IEA).

"A China está voltando forte. Hoje, existem cerca de 60 usinas nucleares em construção e mais de um terço deles estão na China. A China está crescendo e, como resultado, veremos que a China ultrapassou os Estados Unidos como a energia nuclear do número 1 no mundo", disse o CEO da IEA, Fatih Birol, citado pelo site Marketwatch.

Mala com códigos nucleares do assistente militar do presidente norte-americano - Sputnik Brasil
Sobre briga por 'mala nuclear': EUA não podem chegar à China abrindo porta com os pés

De acordo com a IEA, os EUA, que tem sido líder na área nuclear desde a década de 1960, enfrentam dois problemas que levarão a perder a liderança. Primeiro, Washington não está investindo o suficiente na energia nuclear (nem a Europa). Em segundo lugar, não está fazendo o suficiente para prolongar a vida das plantas existentes.

"Se continuar assim, a capacidade nuclear dos EUA passará de 20% para 7%", disse Birol. A indústria nuclear dos EUA enfrentará as mesmas desvantagens que vê na energia solar.

"A China está aprendendo ao fazer isso, reduzindo os custos e, portanto, agora estão prontos para exportar tecnologia e são muito mais econômicos do que outros. E desafiam os exportadores estabelecidos, como os EUA, Japão, Coreia e países europeus", afirmou ele.

Birol acrescentou que a China será a principal nação impulsionadora da remodelação do mercado de energia nos próximos anos.

Chefe do Pentágono, James Mattis - Sputnik Brasil
Mattis alerta: Rússia, China e Coreia do Norte tiveram desenvolvimento nuclear em 8 anos

"Vou dar-lhe um exemplo […] Apenas cinco meses atrás, o governo chinês tomou a decisão de limitar o uso de carvão e passar a [gás natural liquefeito]. Como resultado, a importação chinesa de GNL aumentou mais de 50% e os preços de GNL dobraram de US$ 6 para US$ 12 dólares na região do Pacífico asiático", explicou.

"Quando a China muda, tudo muda […] As novas políticas energéticas da China significam uma nova fase para os mercados globais da energia", concluiu.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала