Destróieres estadunidenses 'estarão na mira' no mar Negro, diz almirante russo

© Foto / Marinha dos EUA/Paul FarleyDestróier norte-americano USS Carney, foto de arquivo
Destróier norte-americano USS Carney, foto de arquivo - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Dois destróieres norte-americanos que estão atualmente no mar Negro não representam ameaça para a Rússia, porém estão sendo vigiados constantemente, disse à Sputnik o ex-comandante da frota do Báltico, almirante Vladimir Valuev.

O destróier de mísseis guiados USS Ross (DDG 71) - Sputnik Brasil
Opinião: EUA estavam buscando pretexto para estar no mar Negro e o encontraram
No domingo, 18 de fevereiro, o destróier USS Carney entrou em águas do mar Negro juntando-se ao USS Ross, que já estava presente na área. A mídia, referindo-se a uma fonte no Pentágono, informou que Washington tinha reforçado a presença no mar Negro para "se opor ao aumento das forças russas nesta região".

O almirante Vladimir Valuev comentou sobre o envio dos destróieres, afirmando que não representam grande ameaça para Moscou.

"Acho que esses destróires em um cenário estrangeiro não representam particularmente uma ameaça… Estes dois navios estarão na mira, sem dúvidas. Caso tomem medidas negativas ou provocadoras, terão a resposta que merecerem, dependendo do nível de ousadia e prejuízos", afirmou.

De acordo com o almirante, a frota do mar Negro define os chamados 'alvos prioritários", nos quais poderão ser incluídos os dois navios norte-americanos.

Destróier com mísseis teleguiados USS Carney  (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Missão de destróieres estadunidenses no mar Negro: 'quem planejam proteger e de quem?'
Valuev sublinhou que o posto de comando da frota possui um complexo sistema de reconhecimento em tempo real, que proporciona informações sobre todas as embarcações que passam por perto, incluindo navios, submarinos a embarcações civis.

Com o envio dos destróieres ao mar Negro, os Estados Unidos visam provocar a Rússia e distrair sua atenção.

"Eles dizem que aumentam a presença para ajudar a Ucrânia. Como a Crimeia está fortalecendo seu grupo militar, em particular submarinos, os EUA decidiram apoiar o grupo naval oposto, supostamente com fins neutralizadores. Mas não há nenhuma ameaça por parte da Frota do mar Negro para a Ucrânia", explicou.

Destróier HMS Duncan, foto de arquivo - Sputnik Brasil
OTAN continua jogo de nervos no mar Negro
Na opinião de Valuev, a Rússia deve reagir à situação conforme os documentos aprovados e ratificados pela maioria dos países, inclusive pelos Estados Unidos. Neste caso é a Convenção de Montreux sobre o Regime dos Estreitos que regula a presença dos navios militares dos Estados que não têm acesso ao mar Negro. 

"Do ponto de vista da lei internacional naval, isto é 100% de violação", acrescentou o almirante.

Antes, especialistas russos expressaram a opinião acusando Moscou de aumentar seu armamento no mar Negro, enquanto Washington está tentando desviar a atenção do aumento do próprio arsenal e gastos militares.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала