EUA divulgam programa de recuperação econômica de Donbass

© Sputnik / Andrei Stenin / Abrir o banco de imagensSituação na região de Donetsk
Situação na região de Donetsk - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O novo programa dos EUA dedicado à recuperação da economia da Ucrânia Oriental considera o crescimento econômico de Donbass uma das suas tarefas principais.

Tanques ucranianos na região de Donbass - Sputnik Brasil
Nova 'lei da soberania' mostra que Ucrânia se prepara para guerra, diz Kremlin
O documento, que tem como objetivo "melhorar a estabilidade econômica da Ucrânia Oriental", foi publicado no site da Agência dos EUA para Desenvolvimento Internacional (USAID, por sigla em inglês), que faz parte do Departamento de Estado.

Segundo os autores do programa, os problemas da economia do país são causados pela "agressão russa" que "resultou em destruição de relações de mercado cruciais e provocou a diminuição dos índices econômicos nas áreas industriais que antes eram dominantes".

Para atingir resultados favoráveis, o programa prevê alcançar três objetivos: "melhorar as perspectivas econômicas de Donbass, incorporar sua economia nas economias da Ucrânia, UE e outros mercados internacionais, e também elaborar um plano para o desenvolvimento econômico sustentável de Donbass no futuro".

Os autores dessa estratégia indicam que a "realização dessas tarefas ajudará a tornar a economia da Ucrânia Oriental mais diversificada e interligada com o resto da Ucrânia, menos dependente da Rússia e mais preparada para garantir futuros empregos para seus moradores".

O documento destaca que tais ações serão primeiramente realizadas nas regiões de Lugansk e Donetsk, mas também estão planejadas para outras áreas vizinhas.

Maidan Nezalezhnosti, em Kiev, durante protesto - Sputnik Brasil
Analista adverte sobre possibilidade de novo Maidan na Ucrânia
Em 18 de janeiro, a Suprema Rada (parlamento ucraniano) aprovou a lei sobre a reintegração de Donbass. A iniciativa foi apoiada por 280 dos 450 deputados e agora o documento deverá ser assinado pelo presidente do país. Na lei, os territórios não controlados por Kiev são chamados de "ocupados" e a Rússia é designada de "país-agressor". Além disso, o documento dá ao presidente o direito de usar as Forças Armadas na região em tempos de paz para proteger a soberania do país. Isso permite legitimar a presença de tropas no leste da Ucrânia sem uma declaração de guerra.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала