Para general sírio, presença dos EUA no país 'é ocupação'

© AFP 2022 / DELIL SOULEIMANForças dos EUA acompanhadas pelos combatentes da YPG na fronteira turco-síria
Forças dos EUA acompanhadas pelos combatentes da YPG na fronteira turco-síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O especialista em assuntos militares sírio, general de brigada Heitham Hassun, disse à Sputnik que o "governo sírio não precisa nem de um dólar de Washington para restaurar o país, pois os dólares estão impregnados com o sangue sírio".

"Os EUA, por princípio, não estão interessados na restauração da Síria, porque toda sua política visa provocar destruição e sofrimentos", sublinhou o militar.

Iraque, militares iraquianos observam ataque aéreo da coalizão liderada pelos EUA às posições do Daesh em Fallujah - Sputnik Brasil
Coalizão dos EUA matou até 6.000 civis no Iraque e na Síria em 2017
De acordo com o especialista, a presença de tropas norte-americanas no território sírio é uma violação gritante do direito internacional e um ato de agressão contra a soberania síria. Os militares estadunidenses precisam de estar na Síria para defender o Daesh, organização terrorista proibida na Rússia, "criada pela administração de Obama", assegura o general.

O militar sírio sublinhou em uma conversa à Sputnik Árabe que "o direito de resolver os assuntos internos do país pertence exclusivamente ao povo deste país".

"Ninguém tem o direito até de expressar sua opinião em relação aos assuntos internos de outro Estado. Qualquer decisão política da crise síria apenas pode ser uma resposta às aspirações do povo sírio, e não para satisfazer interesses estrangeiros", continuou Heitham Hassun.

"A política dos EUA para dividir a Síria entrou em um beco sem saída, porque o exército sírio alcançou grandes sucessos na libertação de uma grande parte do país dos terroristas. Hoje em dia, o exército, junto com seus aliados Rússia e Irã, está terminando a liquidação dos militantes da Frente al-Nusra da província de Idlib", enfatizou o militar.

Segundo disse o general, a Casa Branca está contra as ações do governo sírio e visa manter suas posições no nordeste do país para alcançar a desejada divisão do território.
"Provavelmente, eles vão conseguir algum tipo de coordenação com os turcos no noroeste na Síria, na província de Idlib", especificou Heitham Hassun.

"Contudo, graças aos esforços do exército sírio e dos seus aliados, todos os planos estadunidenses vão fracassar. A presença americana na Síria é uma ocupação. Por isso, o governo e as estruturas de segurança vão tomar as medidas necessárias para combater esse fenômeno", resumiu.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала