'Força fronteiriça' dos EUA: uma tentativa de Washington para se consolidar na Síria?

© AP Photo / Lefteris PitarakisFronteira turco-síria (foto de arquivo)
Fronteira turco-síria (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Pentágono declarou que as forças na Síria treinadas pelos EUA não são um "novo exército ou serviço fronteiriço".

"Os EUA continuam treinando forças de segurança na Síria. Os treinamentos são destinados a reforçar segurança dos refugiados que regressam para as cidades destruídas. É muito importante que o Daesh [grupo terrorista, proibido na Rússia] não possa reaparecer nas áreas libertadas. Não é um ‘exército' novo ou forças tradicionais ‘de segurança fronteiriça'", diz a declaração do Departamento de Defesa dos EUA.

O presidente dos EUA Donald Trump - Sputnik Brasil
Trump não tem autoridade para manter exército na Síria após derrota do Daesh, diz senador
Destaca-se que estas forças se focam na segurança interna, que visa impedir os combatentes do Daesh de fugirem da Síria, reforçar a segurança nas áreas libertadas, defender a população local e prevenir novos ataques contra a coalizão enquanto em Genebra está-se negociando o futuro da Síria.

Rex Tillerson, secretário de Estado dos EUA, havia declarado mais cedo que os EUA continuarão mantendo sua presença militar na Síria para que o Daesh não levante de novo a cabeça e para alcançar uma regulação política no país.

Especialista do Instituto de Pesquisas Estratégicas da Rússia, Vladimir Fitin, compartilhou com o serviço russo da Rádio Sputnik a opinião que o principal objetivo dos EUA quanto à Síria é se consolidar neste país árabe.

"Qualquer que seja a forma ou o nome dado a estas novas forças, isso não faz qualquer diferença. É mais uma tentativa de preservar sua presença nas áreas que controlam as forças patrocinadas por Washington. O nome não importa", declarou o especialista.

Forças turcas mantêm a segurança no posto fronteiriço de Cilvegozu, na fronteira com a Síria (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Turquia: 'exército terrorista' formado na fronteira com Síria prejudicará relações com EUA
Ele lembrou que da mesma forma os EUA anunciaram a criação de forças conjuntas de destacamentos curdos com a milícia sunita no norte da Síria, hoje isso já se chama de serviço fronteiriço. O nome não muda a essência da questão. A essência aqui é a tradicional e firme intenção dos EUA de se consolidarem na Síria.

Os argumentos do Pentágono que o objetivo principal é a luta contra o Daesh parecem duvidosos para o analista.

"Eles já declararam por dez vezes que o Daesh foi derrotado, além disso, que foi derrotado, segundo eles, graças às suas brilhantes operações. De que derrota se trata então? Eles simplesmente empreendem todas as tentativas para justificar de algum modo sua presença na Síria", resumiu o analista.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала