Poroshenko acusa Rússia de tentar destruir Estado ucraniano

© Sputnik / Mikhail Palinchak / Abrir o banco de imagensPresidente ucraniano, Pyotr Poroshenko
Presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, lamentou perante diplomatas estrangeiros que a Rússia queira supostamente recuperar a Ucrânia para a sua assim chamada "zona de influência", e que não se pode acreditar em Moscou.

Presidente rússo, Vladimir Putin, duranta coletiva de imprensa conjunta com Sergio Mattarella, presidente da Itália - Sputnik Brasil
Putin espera que as relações entre Rússia e Ucrânia se normalizem no futuro
"O melhor freio contra o ressurgimento das ambições imperiais e apetites da Rússia é uma Ucrânia democrática, bem-sucedida e independente. Tudo o que Rússia está fazendo hoje em dia na Ucrânia tem um único objetivo: recuperar-nos para a sua assim chamada ‘zona de influência', destruir o Estado ucraniano", declarou Poroshenko na terça-feira (16) discursando na recepção anual aos embaixadores estrangeiros.

Segundo o presidente ucraniano, tem que se aprender com a história, "que mostra que não se pode acreditar no agressor e ele não pode ser apaziguado".

"Nunca se pode acreditar no Kremlin, não importa com que regimes ele se disfarça: czarista, comunista ou pseudo-democrata", declarou Poroshenko.

Posto de controle entre Ucrânia e Donbass (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Parlamentar russo: Moscou não permitirá um regime de ocupação ucraniano em Donbass
Kiev acusou várias vezes o Kremlin de interferir nos assuntos internos ucranianos no que diz respeito ao problema de Donbass. A Rússia nega estas acusações e chama-as de inaceitáveis. Moscou sublinha que não é parte do conflito interno ucraniano e que está interessada na sua resolução pacífica.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, destacou que chamar a Rússia de "agressor" contradiz a situação real em Donbass.

As autoridades da Ucrânia iniciaram em abril de 2014 uma operação militar contra as repúblicas autoproclamadas de Lugansk e Donetsk, que haviam declarado sua independência da Ucrânia em fevereiro de 2014. De acordo com os últimos dados da ONU, mais de 10 mil pessoas já tombaram vítimas do conflito.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала