Que papel desempenha mídia ocidental no conflito sírio?

© AFP 2022 / LOUAI BESHARASoldados sírios celebrando vitória sobre rebeldes em Damasco (foto de arquivo)
Soldados sírios celebrando vitória sobre rebeldes em Damasco (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Em entrevista à Sputnik França, o jornalista francês Jean-Pierre Duthion expôs mídias ocidentais renomadas e descumpridoras da ética jornalística na Síria.

O porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth em Portsmouth, Reino Unido - Sputnik Brasil
Novos e dispendiosos navios da OTAN não estão prontos para combater
Ele viveu 7 anos na Síria, mais precisamente desde 2007, assessorando na entrada de companhias francesas e internacionais no mercado sírio.

Depois do início da guerra na Síria, ele notou divergências entre o que se passava na capital e o que comunicava a mídia ocidental, começando a publicar fotos de Damasco no Twitter. Agora trabalha na França como consultante de várias mídias.

Segundo Jean-Pierre Duthion, "as fontes da mídia ocidental eram parciais por ser proibida entrada de jornalistas na Síria. Na verdade, o papel dos informantes das mídias BBC, CNN e France 24 era desempenhado por testemunhas mais conhecidas como 'repórteres locais', que filmavam do seu quarto com celular, algumas vezes falavam por Skype contando o que estava se passando. […] Qualquer pessoa, que escreve no Twitter ou publica no Facebook, torna-se legítima e real fonte de informação, ou seja, não há como questionar suas palavras".

© Sputnik / Antoine HarrewynJean-Pierre Duthion, jornalista francês
Jean-Pierre Duthion, jornalista francês  - Sputnik Brasil
Jean-Pierre Duthion, jornalista francês

Ele se mostrou insatisfeito com a mídia ocidental por ela ter incentivado as pessoas a sair às ruas para manifestar, acrescendo saber com certeza que não haverá mudança de regime na Síria.

Jean-Pierre se tornou jornalista quase por acaso. Na Praça de Abbasiyyin, quando, segundo mídias, incluindo o canal France 24, as tropas estariam tentando conter manifestantes, ele tirou uma foto do local totalmente pacato e vazio, muito diferente do lugar descrito pelas mídias ocidentais como "derramamento de sangue".

Soldados árabes e curdos com as Forças Democráticas da Síria em um caminhão - Sputnik Brasil
Guarda de fronteira será submissa às Forças Democráticas da Síria, mas treinada pelos EUA
"Resolvi tirar algumas fotos e publicá-las no Twitter. […] Comecei a receber ligações sem parar. Passei o resto do dia falando ao telefone com jornalistas que viram minhas fotos no Twitter – do CNN, BBC e da mídia francesa", disse ele à Sputnik França.

Sobre o ataque químico em Damasco, Jean-Pierre Duthion notou ser muito "difícil imaginar que o governo sírio tenha usado armas químicas em Gouta, já que a poucos quilômetros estavam observadores da ONU que analisavam se na Síria havia ou não armas químicas". Ele adicionou que o exército sírio possui armamento muito pobre, e muitos soldados até não têm coletes à prova de balas.

A guerra na Síria começou em março de 2011 com a Primavera Árabe. Os manifestantes exigiam o afastamento do poder do presidente Bashar Assad, causando desordens em massa e transformando as perturbações em um conflito armado de grande escala. Depois de sete anos, conflito ainda está de pé.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала