Tchecos e eslovacos devem agradecer Gorbachev pelo fim da URSS, diz Zeman

© AP Photo / Sergei ChuzavkovO presidente da República Tcheca, Milos Zeman
O presidente da República Tcheca, Milos Zeman - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os tchecos e os eslovacos devem agradecer o colapso do regime comunista não ao movimento dissidente, mas ao líder soviético Mikhail Gorbachev, afirmou o presidente da República Tcheca Milos Zeman nesta terça-feira.

"O colapso do regime comunista na Tchecoslováquia foi promovido não pelo movimento dissidente Carta-77, mas pelo líder soviético. Foi graças a Mikhail Gorbachev que o império soviético se desintegrou, o que ajudou a Tchecoslováquia a sair das garras soviéticas, então eu acho devemos expressar nossa gratidão a ele", disse Zeman.

A fala do presidente tcheco foi concedida em um evento dedicado ao próximo 100º aniversário da formação da Tchecoslováquia.

A recepção solene no Castelo de Praga abriu uma grande série de eventos oficiais e sociais em várias cidades da República Tcheca, bem como na vizinha Eslováquia. Os eventos são dedicados ao 100º aniversário da formação da Tchecoslováquia: em 28 de outubro de 1918, surgiu um novo Estado nas ruínas da monarquia austro-húngara colapsada.

Presidente da República Checa, Milos Zeman - Sputnik Brasil
Europa pode ser 'inundada' por 10 milhões de refugiados se não agir, diz líder tcheco

Durante seu discurso no Castelo de Praga, Zeman disse que a República Tcheca e a Eslováquia "só podem se alegrar de terem se tornado Estados bem-sucedidos e seguros".

"Não temos praticamente nada a temer, a menos que nossa própria estupidez nos permita colocar pessoas que não pertencem aqui", disse Zeman, insinuando claramente a situação com migrantes de países muçulmanos, a quem ele repetidamente havia mencionado como representantes de uma cultura cultural diferente ambiente que não tem nada em comum com a comunidade local.

A República Tcheca, como a vizinha Polônia e a Hungria, recusou-se categoricamente a aceitar refugiados sob as chamadas cotas para a sua distribuição em países da União Europeia (UE). A Eslováquia, por sua vez, limitou-se à admissão de apenas 10 migrantes.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала