Opinião: a chave para resolver conflito coreano pode estar nas mãos da Rússia

© AP Photo / Wong Maye-ESoldados norte-coreanos
Soldados norte-coreanos - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Rússia virou a peça-chave para a manutenção da paz na península da Coreia, considera Lyle Goldstein, colunista do The National Interest (NI).

Goldstein afirma que existem "pelo menos três razões" que fazem crer que a Rússia, de fato, substituiu a China como principal mediador do conflito coreano.

Lançamento do míssil balístico de curto alcance sul-coreano Hyunmoo II durante as manobras conjuntas dos EUA e Coreia do Sul - Sputnik Brasil
Militares sul-coreanos descartam lançamento de mísseis iminente da Coreia do Norte
Em primeiro lugar, a China está muito perto da Coreia do Norte, tanto geográfica como culturalmente. Portanto, acaba se tornando uma espécie de ameaça para a Coreia do Norte, devido à natureza do aumento e da constante expansão da influência da China, destaca o analista.

Para Goldstein, o "modelo sírio", onde "o Kremlin apoia seus parceiros, apesar de todas as ameaças e críticas do Ocidente, poderia funcionar bem no caso de Pyongyang.

"Portanto, já está na hora de os responsáveis americanos pela tomada de decisões conhecerem os melhores especialistas russos em questões da Coreia do Norte, já que eles são das poucas pessoas capazes de chegar a um acordo e (literalmente) salvar o planeta de uma catástrofe", escreve Goldstein.

Tanques durante manobras militares entre os EUA e a Coreia do Sul (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Cientista político: EUA podem torpedear tentativa de diálogo entre Seul e Pyongyang
De acordo com o colunista, um desses especialistas russos é Georgy Toloraya, do Instituto de Economia da Academia de Ciências da Rússia, que viveu mais de uma década em Pyongyang e que frequentemente escreve artigos analíticos sobre a situação na península coreana.

Toloraya propõe vários meios que poderiam resolver o conflito na península de forma pacífica. No cenário atual, por exemplo, Toloraya defende uma "trégua olímpica", apontando que a Coreia do Sul tem todas as razões para apoiar medidas de compromisso que acalmem as tensões em um curto prazo.

"Tolaraya pode ter o futuro do mundo sobre seus ombros. É provável que seja uma das poucas pessoas no planeta, com excelentes contatos tanto em Pyongyang como em Washington, sem mencionar as décadas de experiência trabalhando neste delicado assunto", aponta o jornalista.

O presidente dos EUA, Donald Trump, durante seu discurso na XXV Cúpula da APEC realizada na cidade de Danang (Vietnã) em 10 de novembro de 2017 - Sputnik Brasil
Trump diz que sanções e 'outras pressões' começam a fazer efeito sobre Coreia do Norte
O colunista considerou que Washington precisa de aceitar que suas tentativas de se livrar das relações russo-americanas podem ter efeitos muito negativos, já que os especialistas russos poderiam agir como emissários cruciais e se tornar intermediários para aliviar a crise coreana.

"Um colunista do New York Times recentemente, em meados de dezembro, zombou do presidente [Donald] Trump por este solicitar o apoio do Kremlin na crise das Coreias. Mas a ajuda da Rússia, nestas circunstâncias, é muito necessária, já que a crise parece ir de mal a pior e estamos à beira de algo próximo de catástrofe total, para não falar de um apocalipse", advertiu Goldstein.

O autor considerou que um "significativo impulso diplomático russo" liderado pelo próprio presidente da Rússia, Vladimir Putin, e apoiado por seus especialistas experientes nesta área pode "matar dois coelhos de uma cajadada" e diminuir as tensões não apenas na região asiática, mas também na Europa, resumiu Lyle Goldstein.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала