'Maldição' parece estar perseguindo navios norte-americanos no Pacífico

© AP Photo / Eugene HoshikoDestróier USS Fitzgerald da Marinha dos EUA após acidente de coalisão (foto de arquivo)
Destróier USS Fitzgerald da Marinha dos EUA após acidente de coalisão (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Em 2017, a Marinha dos EUA sofreu uma série de acidentes na região do Pacífico, pondo em questão a eficácia e preparo para ações militares.

Ano de 2017 não está sendo nada bom para a Marinha estadunidense, que experimentou numerosos acidentes na região Ásia-Pacífico. As explicações para justificar os casos atingiram extremos — desde a falta de sono a treinamento falho.

Porta-aviões USS CVN-76 Ronald Reagan que participa de manobras navais - Sputnik Brasil
Avião da Marinha dos EUA cai no Pacífico com 11 pessoas a bordo
O acidente mais recente da Marinha dos EUA envolveu a 7ª Frota em Yokosuka, no Japão, e ocorreu no fim de semana passado, quando o navio USS Fitzgerald, destróier de mísseis guiados, sofreu duas perfurações no seu casco ao ser carregado no navio de transporte Transshelf, de acordo com a declaração pública da Marinha dos EUA.

O incidente, que quase provocou o afundamento do navio, causou a morte de sete membros da tripulação e gerou uma intensa especulação sobre como um navio de guerra moderno e equipado com dispositivos de navegação de última geração pôde sofrer um acidente desse tipo em ótimas condições climáticas.

Na mesma semana em que o Fitzgerald foi atingido pelo contratempo, um avião de transporte da Marinha dos EUA, C2-A Greyhound, caiu no oceano perto da costa japonesa com 11 pessoas — 3 tripulantes morreram.

A pior coalizão sofrida pela Marinha dos EUA envolveu o navio USS John McCain, homólogo do destróier de mísseis guiados USS Fitzgerald, e um navio mercante Alnic MC, perto da costa da Singapura em 21 de agosto. O impacto criou um enorme furo no casco do destróier, prendendo os marinheiros dentro do compartimento do navio. Na sequência, 10 tripulantes morreram e cinco ficaram feridos.

A Marinha dos EUA, que afirmou que ambos os acidentes "poderiam ter sido evitados", ordenou uma pausa nas operações para revisar a política de treinamento dos membros da tripulação.

Militares da Marinha dos EUA durante a cerimônia de descida das bandeiras - Sputnik Brasil
Má reputação da Marinha dos EUA: segredos militares em troca de 'festas com prostitutas'
John Pendleton, diretor de defesa e de gestão do Escritório de Responsabilidade Governamental dos EUA, sugeriu que a Marinha de Guerra estaria sobrecarregada por várias tarefas.

Após a colisão, o jornal China Daily assegurou que a presença dos EUA estaria se convertendo em um "obstáculo" no mar do Sul da China.

"A Marinha dos EUA, que gosta de afirmar que sua presença pode ajudar a manter a 'liberdade de navegação' no mar do sul da China, está virando um obstáculo para navios em águas asiáticas", diz-se na edição.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала