Medo da 'ameaça russa': OTAN deve defender Suécia e Finlândia se forem atacadas

© Sputnik / Viktor Tolochko / Abrir o banco de imagensAviões Yak-130 da Força Aérea da Bielorrússia durante os preparativos para as manobras russo-bielorrussas Zapad 2017
Aviões Yak-130 da Força Aérea da Bielorrússia durante os preparativos para as manobras russo-bielorrussas Zapad 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A OTAN deve defender a Suécia e a Finlândia em caso de agressão armada, mesmo que nenhum dos dois países for um membro da aliança, disse um alto funcionário da organização nesta quarta-feira em um evento que ressaltou as preocupações crescentes sobre a ameaça militar da Rússia.

O comodoro Hans Helseth, assessor especial do Centro de Guerra Conjunta da OTAN na Noruega, disse que os laços crescentes das duas nações com a aliança ocidental aumentaram seus riscos e que a OTAN teve obrigação moral de ajudar se as nações fossem atacadas.

"A sua não-adesão reduz o limiar de uma agressão armada contra os dois países. Na minha opinião, a OTAN deve simplesmente por razões morais e outras razões vir em assistência aos dois países", disse Helseth na Conferência de Segurança de Berlim.

O oficial disse também que a OTAN segue aberta para receber as duas nações como membros, se elas quiserem se juntar ao grupo.

Bandeiras dos EUA e da OTAN em frente dos caças F-22 Raptor  da Força Aérea norte-americana, na Lituânia - Sputnik Brasil
EUA, através da OTAN, buscam instalar mais armamento nuclear na Europa

Finlândia, Suécia, Dinamarca, Noruega e Islândia concordaram este mês em intensificar a cooperação na defesa e trocar mais informações de vigilância aérea, parte de um esforço mais amplo para construir sua defesa para combater as atividades russas.

Funcionários da Finlândia e da Suécia falaram na conferência sobre suas preocupações a respeito do acúmulo militar da Rússia no Ártico e no norte da Europa em geral, citando o que chamaram de "anexação" em 2014 da região da Crimeia – episódio que, segundo eles, serviu como um alerta.

Os dois países participam de exercícios militares da OTAN, mas não são contemplados pelo artigo V do tratado fundacional da OTAN, que diz que um ataque a um membro é um ataque a todos. Ambos os países sabem os passos para se juntar à aliança, mas isso criaria uma reação em Moscou, que se opõe a qualquer expansão da OTAN.

Um importante funcionário do Ministério de Relações Exteriores da Rússia solicitou na terça-feira esforços para reconstruir laços com países europeus, incluindo mais comunicação entre especialistas militares.

Mas Helseth disse que poderia haver "nenhum retorno aos negócios como de costume" com a Rússia, dada a sua anexação da Crimeia e seu papel no apoio à violência no leste da Ucrânia, bem como o apoio do presidente sírio, Bashar Assad, e o uso de "ataques hostis no domínio cibernético".

General dos EUA alerta para 'ameaça russa'

Os principais líderes militares da OTAN e dos países membros participam do evento de dois dias em Berlim sobre seus esforços para construir um maior impedimento para qualquer agressão militar pela Rússia.

O tenente-general norte-americano Ben Hodges, que dirige as forças do Exército dos EUA na Europa, disse que a Rússia perdeu uma ótima oportunidade de amenizar a situação com o Ocidente ao não ser mais transparente sobre exercícios militares este ano.

Manobras Zapad 2017 - Sputnik Brasil
Ministro da Defesa russo: objetivos das manobras conjuntas Zapad 2017 foram alcançados

Os EUA e as autoridades da OTAN dizem que as forças russas ultrapassaram em muito na Zapad 2017, realizada na Bielorrúsia, o limite de 13.000 homens além do qual um país é obrigado a convidar observadores militares. A Rússia disse que os funcionários ocidentais estão exagerando o escopo dos exercícios.

Hodges disse que as nações ocidentais conseguiram um nível sem precedentes de compartilhamento de informações durante o exercício ocorrido na Suécia na mesma época e disseram que esperava que continuasse mesmo quando a OTAN expande suas próprias capacidades para mover rapidamente as forças para o flanco leste.

Ele citou preocupações sobre as atividades recentes da Rússia, incluindo a compra de 2.000 veículos para o transporte de tanques por estrada e se move para aproveitar o derretimento do gelo no Ártico. "A Rússia não está sentada à espera de ver o que acontece", opinou.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала